A Palavra dos Leitores | 24-02-2008 19:25

O plano estratégico para o município de Coruche até 2020

Comentário à notícia "Plano estratégico prepara opções para o concelho de Coruche"

Notícia em: http://semanal.omirante.pt/index.asp?idEdicao=327&id=41605&idSeccao=4745&Action=noticiaO recente anúncio da elaboração de um plano estratégico para o município de Coruche até 2020 é o exemplo evidente que nos modernos tempos de mudança com que nos confrontamos a linha de actuação estratégica à escala local tem de ser sempre de antecipação pró-activa e não reactiva.Os planos estratégicos, os parques de negócios e tecnológicos, as infra-estruturas da era da modernidade, o ensino, a inclusão digital, o empreendedorismo, a fixação de massa criativa, são alguns exemplos que não podem estar dependentes da construção ou não de um novo aeroporto. O Plano Director Municipal de Coruche e as suas propostas de revisão já contemplam praticamente isso tudo. É preciso é dar seguimento às medidas nele previstas e mais pró-actividade, logicamente em concertação estratégica com os outros níveis de desenvolvimento, regional, nacional e não só. Não se pode é estar constantemente a adiar e à espera da última moda. Porque quem anda a reboque vai sempre atrás! A realidade é que os anos vão passando e os problemas vão-se agudizando, designadamente:Um concelho como o nosso com problemas de depressão social, envelhecido e economicamente deprimido, precisa urgentemente de investimentos adequados, de pessoas cada vez mais qualificadas, de massa crítica que nos diferentes domínios de participação económica, social, cultural e política possam fazer a diferença, só assim será possível obter os contributos para as mudanças qualitativas que se desejam.Da rede de sete parques de negócios para o distrito de Santarém previstos no POR-LVT 2000/2006 (Rio Maior, Santarém, Torres Novas, Abrantes, Alcanena, Coruche e Fátima - Ourém), Coruche ficou de fora. Se não forem criadas infra-estruturas deste tipo com sistemas de incubação de empresas que encorajem e ofereçam uma série de facilidades para o arranque e crescimento de novos empreendimentos, será pouco provável, especialmente aos jovens empreendedores, superarem os desafios iniciais do arranque (compra de terreno, projectos, construção, etc., etc…)Continuamos a assistir a um novo pico de saídas de coruchenses (alguns com formação superior) para o estrangeiro. Casos há de pessoas que emigraram enquanto mais jovens e que pensavam já não ter necessidade de o voltar a fazer, mas agora vêem-se forçados a fazê-lo novamente. É também cada vez mais significativo o número de coruchenses que trabalham fora do concelho.Continuamos todos os anos a assistir à saída prematura de um número bastante significativo de jovens do nosso concelho, que devido ao leque restrito de opções que lhe são oferecidas para prosseguirem os seus estudos após concluírem o 9º ano, tem de sair em direcção a outros concelhos vizinhos. Há 20 anos atrás, o movimento era precisamente o inverso: jovens de outros concelhos é que tinham necessidade de vir estudar para Coruche. Fenómeno idêntico se passou ao nível da diversão, hoje o movimento é em direcção aos concelhos vizinhos.Coruche continua a não ter nenhum curso na área das Tecnologias de Informação e Comunicação, contrariamente à grande maioria dos concelhos que confinam connosco.Quando olhamos em pormenor para um mapa de estradas de Portugal e verificamos a localização estratégica de Coruche, não compreendemos como os Itinerários Principais e Complementares parecem ter-se desviado de propósito do concelho.A ligação a Lisboa através da viabilização do regresso da circulação de comboios de passageiros na linha Vendas Novas - Setil tarda em acontecer.O concelho vem perdendo população, o centro histórico da vila de Coruche vem sendo atingido, há já alguns anos, por um acelerado processo de desertificação humana e por um aumento significativo de casas fechadas e em degradação acentuada. O comércio tradicional, como é evidente, por isso, mas não só, está a pagar o preço dessa agonia.Coruche continua bastante carente de infra-estruturas de âmbito tecnológico/digital. Para combater estas fraquezas só mesmo com mais pró-actividade, pois o diagnóstico está feito.António Pinheiro da Costa

Mais Notícias

    A carregar...

    Edição Semanal

    Edição nº 1381
    13-12-2018
    Capa Médio Tejo
    Edição nº 1381
    13-12-2018
    Capa Vale Tejo