A Palavra dos Leitores | 10-05-2012 08:40

Bloco preocupado com eventual saída de Abrantes da Escola Prática de Cavalaria

Não deve haver muita coisa a fazer. Se a grande moda é cortar em tudo e mais alguma coisa, é natural que as Forças Armadas Portuguesas sejam reduzidas ao mínimo dos mínimos. Ou seja, que fiquem apenas as unidades indispensáveis ao cumprimento dos nossos compromissos no âmbito das organizações e das missões internacionais. Os grandes movimentos pacifistas perderam alguma força devido ao terrorismo. Por outro lado com o desemprego a aumentar deu muito jeito ter Forças Armadas a contratar jovens mas é provável que essa tendência se inverta cada vez mais devido à crise económica. Exércitos pequenos e bem equipados e mobilização ou contratação de mais pessoal em períodos em que exista essa necessidade será o panorama. Quanto a instalações e ao custo que acarreta a sua manutenção é normal que a solução seja o abandono de algumas e a implementação de uma política de concentração. Joel Ciste Notícia relacionada: http://www.omirante.pt/noticia.asp?idEdicao=54&id=51173&idSeccao=423&Action=noticia

Mais Notícias

    A carregar...

    Edição Semanal

    Edição nº 1360
    19-07-2018
    Capa Médio Tejo
    Edição nº 1360
    19-07-2018
    Capa Vale Tejo