A Palavra dos Leitores | 27-01-2013 01:05

Processos em papel com fim anunciado na Câmara de Tomar

A expressão mostra uma Câmara modernaça (o que não quer dizer moderna). Quanto à questão do papel o sr. Presidente da câmara municipal de Tomar, Carlos Carrão, devia corrigir para "segundo dia histórico". O primeiro foi com o encerramento das fábricas de papel (anos 90), quando Tomar e os seus dirigentes se convenceram da superioridade intelectual nabantina através da cultura e património. Por essa época, a fé no turismo "de qualidade" conduziu ao definhamento que dura até hoje. Torres Novas e Abrantes agradecem... E o convencimento do sr. Presidente de que é importante para a cidade(até do ponto de vista histórico!)abolir a papelada é tão só um sinal desse definhamento... Rui Sant'Ovaia Notícia relacionada: http://www.omirante.pt/index.asp?idEdicao=54&idSeccao=479&id=56815&Action=noticia&title=Comentários

Mais Notícias

    A carregar...

    Edição Semanal

    Edição nº 1363
    08-08-2018
    Capa Vale Tejo
    Edição nº 1363
    08-08-2018
    Capa Médio Tejo