A Palavra dos Leitores | 05-08-2015 09:40

Mandou cremar ossadas que afinal não eram as da filha

Tudo pode acontecer mas nem todas as pessoas estão vocacionadas para exercer as funções que exercem. Na função pública é assim. Os piores trabalhadores são os mais valorizados e os que menos fazem beneficiam da protecção das chefias. Os verdadeiros trabalhadores são os que recebem ordenados mais baixos e que dão a cara ao contribuinte. Estes coitados levam com as culpas e a valorização das chefias é sempre a mesma, "satisfaz", pois o muito bom é para os familiares, amigos e os "graxa". Por isso não me admira que Portugal seja um país de brutos e atrasados.... Carlos GuedesEste foi um caso descoberto por mero acaso. Se a vizinha da senhora não tivesse visto a urna da filha no cemitério o erro nunca seria descoberto. Isto faz-me pensar nos casos que nunca são descobertos. A Junta de Freguesia da Póvoa de Santa Iria fez o que fazem todos os que não querem fazer nada, ou seja, decidiu abrir um inquérito. Os resultados do mesmo não interessam muito. Não há nenhuma lei em Portugal que tenha previsto compensação justa para uma mãe que teve que enfrentar o desleixo e a incompetência de um coveiro, após ter perdido uma filha aos vinte anos de idade. Claro que um qualquer sindicato irá defender o trabalhador porque já se sabe para que servem os sindicatos e mesmo que o assunto viesse a chegar a um tribunal seria uma mera perda de tempo. Não há ética, nem honra, nem vergonha. É este o nosso maravilhoso mundo! Jorge Toste : http://www.omirante.pt/index.asp?idEdicao=54&idSeccao=479&id=83757&Action=noticia&title=Coment%C3%A1rios#.Vb8jyG66cdU

Mais Notícias

    A carregar...

    Edição Semanal

    Edição nº 1376
    07-11-2018
    Capa Médio Tejo
    Edição nº 1376
    07-11-2018
    Capa Vale Tejo