A Palavra dos Leitores | 07-03-2016 10:51

Os pais e o próprio Estado não forçam os jovens a procurar a sua independência

O professor Carlos Cupeto pergunta, a certa altura do seu opinião desta semana, intitulado "Preguiçosos ?", o seguinte: "Por que razão no actual contexto de falta de trabalho (?), depois de uma entrevista para uma excelente oportunidade laboral, a candidata vai para casa pensar?". Uma parte da resposta deu-a o governo há dias quando anunciou a intenção de alargar a ADSE, o subsistema de Saúde dos funcionários públicos, aos filhos dos mesmos, até aos 30 anos. Adultos a viver em casa dos pais e à custa dos pais até aos 30, 40 e mais anos, já havia imensos. Agora é o Estado que aparece com medidas destas destinadas a desincentivar a procura de emprego e o assumir de responsabilidades. Uma jovem como essa retratada no artigo é um bom exemplo daquilo que andamos a fazer aos nossos jovens. É verdade que nem todos são moles, preguiçosos, calaceiros e comodistas mas há cada vez mais e isso devia ser motivo de preocupação. Estar em casa dos pais ou sob a asa protectora dos mesmos é muito cómodo e aconchegante mesmo quando se trabalha. A mãe cozinha, passa a ferro, acorda-os para ir trabalhar já com o pequeno almoço na mesa, o pai vai buscá-los à estação de comboio ou ao emprego, empresta o carro, etc...etc... Antes não era assim. Criava-se muito cedo a necessidade de ganhar asas, ser independente, sair de casa dos pais. Os pais incentivavam-nos...a bem e às vezes a mal porque não queriam ter filhos atados, rotulados de inúteis, ou meninos da mamã, por perto. Muito mais há para dizer, infelizmente. Pais e governantes têm que ajudar a resolver isto. A bem dos jovens e do país. Renato Neto : http://semanal.omirante.pt/index.asp?idEdicao=746&id=115425&idSeccao=13630&Action=noticia#.VtwSpJyLTIU

Mais Notícias

    A carregar...

    Edição Semanal

    Edição nº 1355
    13-06-2018
    Capa Vale Tejo
    Edição nº 1355
    13-06-2018
    Capa Médio Tejo