Arquivo | 15-02-2005 16:52

Câmara de Santarém reduz pressão urbanística de loteamentos

A Câmara Municipal de Santarém aprovou segunda-feira, por unanimidade, a redução de dois projectos imobiliários com o objectivo de baixar a pressão urbanística em duas zonas da cidade.Num dos casos, o executivo aprovou a redução de quatro lotes de apartamentos para dois, permitindo que o construtor construa mais um andar do que o previsto, passando os prédios de seis para sete andares na zona do Sacapeito, comprometendo-se a autarquia a proceder aos arranjos exteriores e ajardinamento da zona assim libertada.Congratulando-se com o desfecho de negociações que foram "complicadas", Rui Barreiro (PS) disse que foi ainda decidido alterar o plano de pormenor do Jardim de Baixo, permitindo que um loteamento que previa a construção de 197 fogos, aliando prédios a moradias, passasse a contemplar apenas moradias, num total de 107, eliminando também as duas a três dezenas de lojas projectadas.Por outro lado, dois lotes de vivendas ficam sob reserva para equipamento, prevendo uma possível expansão da escola básica de segundo e terceiro ciclo D. João II, comprometendo-se a autarquia a adquiri-los ao construtor a preços de mercado, adiantou.Ramiro Matos (PSD) sublinhou o "desafogo" que representa a redução de fogos aprovada em zonas "com uma pressão urbanística muito elevada", lamentando apenas o tempo que demorou o acordo com os promotores imobiliários.José Marcelino (CDU) sustentouando que a autarquia deveria proceder a uma reanálise dos projectos imobiliários já aprovados e ter um papel junto dos promotores imobiliários, no sentido de que estes reduzam os loteamentos previstos. O autaraca deu como exemplo o projecto para a Quinta das Cortezes, no populoso bairro de S. Domingos, com quase mil fogos e 200 lojas projectadas, o que considerou "irrealista".

Mais Notícias

    A carregar...

    Edição Semanal

    Edição nº 1363
    08-08-2018
    Capa Vale Tejo
    Edição nº 1363
    08-08-2018
    Capa Médio Tejo