Arquivo | 26-04-2006 11:19

Carla Rodrigues

Carla Rodrigues

“Sinceramente não acredito muito que umas algas ou um chá possam substituir um medicamento. Prefiro acreditar na sabedoria dos profissionais de saúde do que no poder das ervas”

Como é que vê o constante aumento da taxa de desemprego em Portugal? Estamos de facto a atravessar um período muito difícil nesse aspecto. Eu própria, neste momento sou mais um número na longa listagem de desempregados em Portugal. Não é nada fácil. E o pior é que não se vê o governo a tomar medidas sérias para contrariar essa tendência. O Centro Distrital da Segurança Social de Santarém continua a enviar notificações para a cobrança de dívidas a contribuintes que têm a sua situação regularizada. Que comentário lhe merece a situação?Acho que é uma grande injustiça, que pode trazer consequências às pessoas menos informadas. É bem provável que, por desconhecimento das leis, algumas pessoas, como os mais idosos, paguem aquilo que não devem. Além disso é tempo e dinheiro que se gasta para provar que não se deve nada.Preocupa-a o endividamento das autarquias?Preocupa-me e muito. Porque essa dívida vai de certeza cair nas mãos dos contribuintes e nós é que vamos ter de arcar com as consequências.Costuma dormir a sesta? Normalmente não durmo a sesta porque não posso ou não tenho tempo, mas acho que toda a gente devia de adquirir esse hábito. Ajuda a descontrair e a recarregar energias para o resto do dia.Acredita na vida para além da morte?Eu quero acreditar que sim. Porque assim a morte não assusta tanto e é mais fácil de encarar.Era capaz de recorrer a um exorcista?Em situações de desespero as pessoas são capazes de tudo. Até de recorrer a coisas em que não acreditam. Acho que numa situação limite era capaz de procurar um exorcista.E às medicinas alternativas?Sinceramente não acredito muito que umas algas ou um chá possam substituir um medicamento. Se assim fosse não valia a pena haver médicos. Prefiro acreditar na sabedoria dos profissionais de saúde do que no poder das ervas.Aceita o casamento entre homossexuais?Sou completamente a favor, porque parto do princípio que cada um deve ser feliz à sua maneira. As pessoas devem de ser livres para viver a vida como querem sem preconceitos.E a adopção por parte de casais homossexuais?Também sou a favor. Mas desde que a criança receba algum acompanhamento psicológico, de forma a conseguir aceitar normalmente a sua condição sem sair prejudicado.É católica?Sou católica não praticante e casei pela Igreja. Mas não concordo com todas as mensagens defendidas por ela. Acho que já estava na altura de a Igreja acompanhar a evolução dos tempos.

Mais Notícias

    A carregar...

    Edição Semanal

    Edição nº 1363
    08-08-2018
    Capa Vale Tejo
    Edição nº 1363
    08-08-2018
    Capa Médio Tejo