Arquivo | 06-10-2006 12:09

Dívida marca primeiro ano de Moita Flores em Santarém

A dívida elevada da Câmara de Santarém foi uma das marcas principais do primeiro ano de gestão de Francisco Moita Flores, o independente social-democrata que retirou ao PS um dos seus bastiões tradicionais desde o 25 de Abril.Na campanha, Moita Flores prometeu resolver o problema da dívida em cem dias, mas um ano depois a questão continua por resolver, até porque uma das soluções - antecipação de receitas futuras da EDP - ainda não foi discutida pelo Executivo e não é certo que obtenha o visto do Tribunal de Contas.A Câmara de Santarém debate-se com uma dívida de 80 milhões de euros, a maior parte de curto prazo, que causa problemas de tesouraria e impede investimentos da autarquia de maior dimensão.Inicialmente, Moita Flores prometeu uma operação financeira denominada "leaseback", que previa a cedência de bens como garantia de transferências financeiras, mas acabou por abandonar a proposta, que nunca foi bem acolhida pela Oposição do PS e CDU, a qual, em conjunto, conta com mais eleitos no Executivo do que o PSD.A ausência de uma maioria absoluta, à semelhança do que havia sucedido no anterior mandato do PS, tem arrastado durante semanas o debate político sobre várias matérias, sem qualquer decisão concreta.Exemplos disso são as propostas de criação de empresas municipais ou de privatizações de serviços, que são defendidas pelo PSD mas que não obtêm o acordo da Oposição.A visibilidade mediática do de Moita Flores, criminologista reconhecido e guionista de televisão, tem suscitado também várias críticas da oposição, que o acusa de não dar prioridade à gestão do município.Por outro lado, a imagem do autarca tem sido também abalada pela polémica em torno da empresa Águas do Ribatejo, que iria gerir o saneamento e o abastecimento de água na região.Os autarcas vizinhos (eleitos pela CDU e pelo PS) responsabilizam Moita Flores pelo impasse no projecto e lamentam que Santarém tenha negociado particularmente contrapartidas com o consórcio vencedor do concurso, que foi entretanto impugnado por outros concorrentes.Noutro capítulo, a despoluição do rio Alviela, palco de sucessivas descargas de efluentes do sector dos curtumes, parece agora reunir um consenso mais alargado entre partidos e mesmo com o concelho vizinho de Alcanena.A realização do festival de música, em Setembro, constitui o culminar de uma estratégia que visa dar mais visibilidade ao problema ambiental na opinião público, sensibilizando o poder central a financiar o saneamento na zona e a reparação do sistema de tratamento dos efluentes da indústria de curtumes de Alcanena.Neste ano, Moita Flores responsabilizou o executivo anterior por muitos dos problemas que encontrou, mas até ao final do mandato a prioridade deverá ser o cumprimento de algumas das promessas, nomeadamente aquelas que assumiu já depois de ter tomado posse, como a reabilitação do centro histórico ou a construção de novas vias para as freguesias rurais.PJA.

Mais Notícias

    A carregar...

    Edição Semanal

    Edição nº 1381
    13-12-2018
    Capa Médio Tejo
    Edição nº 1381
    13-12-2018
    Capa Vale Tejo