Arquivo | 16-03-2011 12:48

Propostas dos cidadãos para recuperar a Ribeira que passa debaixo da cidade do Entroncamento

A Associação de Moradores do Casal Sentista foi da nascente até à foz e viu tudo o que se pode ver da Ribeira de Santa Catarina. Fotografou, mediu, cheirou, estudou e apresentou propostas a quem tem o dever de decidir.

A criação de uma entidade colectiva responsável pela manutenção e vigilância da Ribeira de Santa Catarina, em que estejam representados “os elementos da população directamente afectados”, é uma das propostas feitas pelo Núcleo Ambiental da Associação de Moradores de Casal Sentista, Fontaínhas e Covões, no âmbito de um trabalho sobre aquele curso de água que passa por zonas dos municípios de Torres Novas, Entroncamento, Vila Nova da Barquinha e Golegã.O trabalho foi apresentado sábado à tarde na sede da Associação de Moradores. Para além da entidade colectiva de manutenção e vigilância da Ribeira foram feitas outras propostas destinadas a resolver o “risco de segurança e saúde pública que o mau estado da Ribeira representa”; promover a reaproximação da população à Ribeira e mitigar os efeitos das cheias. Para atingir aqueles objectivos os autores defendem “a execução de um projecto de âmbito supra municipal”. As medidas a tomar devem dar atenção às descargas directas de esgotos não tratados no leito do curso de água; à inadequação do leito à quantidade de águas que para ele são escoadas; à erosão das margens em vários pontos do seu percurso; à sensibilização da população para a questão da Ribeira; à intervenção de especialistas na área da integração de meios naturais em meios urbanos; à recuperação e conservação da vida animal e vegetal, entre outras questões. A Ribeira de Santa Catarina é um curso de água com um comprimento calculado de 8 quilómetros que tem o seu início no concelho de Torres Novas, na zona do Vale das Éguas, a Norte e Oeste da povoação de Casal Sentista. Atravessa a cidade do Entroncamento, passa brevemente pelo concelho de Vila Nova da Barquinha e desagua no rio Tejo já no concelho da Golegã, junto ao palácio da Quinta da Cardiga.Sob o ponto de vista hidráulico, a Ribeira de Santa Catarina é parte integrante das redes de saneamento que encontra ao longo de toda a sua extensão, funcionando como emissário tanto de águas pluviais como de águas domésticas. Em determinadas zonas, provavelmente as mais antigas – as águas pluviais e domésticas juntam-se no mesmo colector. Na cidade do Entroncamento grande parte da Ribeira está tapada e parte dessa cobertura foi vendida a particulares entre 1966 e 1978, tendo a câmara municipal conseguido reaver, em 2006, uma pequena parte da mesma. Segundo o estudo feito pela Comissão Ambiental da Associação de Moradores, as primeiras notícias sobre a cobertura do leito da Ribeira datam do final da década de 40 do século XX, altura em que foi construído, nas margens do curso de água, o Bairro Frederico Ulrich.Os autores do trabalho sobre a Ribeira de Santa Catarina - Manuel Serra Azevedo, Tiago Simões, Vergílio Rafael (Presidente da Comissão de Moradores) e Vanessa Simões – explicam que o mesmo foi inicialmente pensado para apontar soluções para os problemas da poluição e inundações que afectam os moradores de várias zonas circundantes à Ribeira. “No entanto, ao estudar os vários aspectos deste sistema, apercebemo-nos que seria viável transformar aquilo que é hoje um problema numa fonte de bem-estar, e de valorização patrimonial para todos os concelhos envolvidos (…) tornando-se uma peça fundamental para a sustentabilidade e qualidade de vida das populações, acrescido do benefício nacional que é a redução da carga poluente do rio Tejo”, explicam. A Ribeira de Santa Catarina é mostrada ao longo de mais de trinta páginas. Há fotografias, descrições, citações de documentos antigos, medidas das várias larguras que o leito foi forçado a adoptar, referências a cheiros e à ausência de fauna. Um trabalho de campo feito da nascente à foz ao longo de vários meses, entre Dezembro de 2009 e Fevereiro de 2010.O que está a ser feitoA Câmara Municipal do Entroncamento tem feito intervenções na Ribeira de Santa Catarina, tendo resolvido alguns problemas que originavam cheias. Nesse âmbito irá ser implementado um projecto de um canal de nivelamento de caudal ligando a Ribeira de Santa Catarina à Ribeira da Ponte da Pedra. A autarquia procedeu à limpeza do leito da ribeira e tem intensificado a fiscalização para evitar ligações de esgotos domésticos ao mesmo. A ciclovia da zona sul vai ser implementada em grande parte da cobertura do curso de água, tendo já sido limpos alguns troços.

Mais Notícias

    A carregar...

    Edição Semanal

    Edição nº 1386
    16-01-2019
    Capa Vale Tejo
    Edição nº 1386
    16-01-2019
    Capa Médio Tejo