Arquivo | 03-01-2013 15:19

Assalto a carrinha de valores em Guimarães rendeu 35 mil euros, notas não ficaram pintadas

O assalto à carrinha de valores registado na quarta-feira, em Serzedo, Guimarães, rendeu cerca de 35 mil euros e as notas não foram inutilizadas pelo sistema de tintagem, informou hoje à Lusa o diretor de segurança da Esegur.Segundo Fernando Augusto, aquele sistema de tintagem, que inutiliza as notas, não funcionou “porque o dinheiro já estava na ATM” (caixa multibanco).Três indivíduos armados e encapuzados assaltaram na quarta-feira uma carrinha de valores da Esegur, em Guimarães, obrigando o funcionário que estava a carregar a ATM a entregar-lhes as malas com o dinheiro.Consumado o roubo, os indivíduos fugiram num automóvel de alta cilindrada, que incendiaram pouco depois.De acordo com Fernando Augusto, em 2012 registaram-se nove assaltos a carrinhas de valores da empresa.Os funcionários “não podem andar armados” e “são instruídos para não oferecerem qualquer resistência”, de forma a não haver vítimas.Para uma maior segurança da atividade, foram instituídos, por lei, sistemas inteligentes de neutralização de notas, através da tintagem.“Trata-se de uma patilha que há nas malas e que o funcionário só pode largar quando as malas são encaixadas na caixa multibanco. Se for largada antes, a tinta espalha-se e as notas ficam automaticamente inutilizadas”, explicou à Lusa Ricardo Vieira, presidente da Associação Nacional de Agentes de Segurança Privada (ANASP).A Polícia Judiciária está a investigar o assalto.

Mais Notícias

    A carregar...

    Edição Semanal

    Edição nº 1380
    05-12-2018
    Capa Vale Tejo
    Edição nº 1380
    05-12-2018
    Capa Médio Tejo