Arquivo | 09-01-2013 10:39

Jovem acusado de matar menor em Odivelas começa a ser julgado na quinta-feira

Um jovem de 20 anos, acusado de coautoria no homicídio de um rapaz de 17 anos, em armazéns abandonados no Senhor Roubado, Odivelas, começa a ser julgado quinta-feira no Tribunal de Loures.O outro coautor do crime, um menor, que à data dos factos, ocorridos a 26 de fevereiro de 2012, não tinha 16 anos - idade para ser responsabilizado criminalmente -, ficou sujeito à Lei Tutelar Educativa e está à guarda de um centro educativo, em regime fechado, onde ficará durante os próximos três anos, período máximo legal.Segundo o despacho de acusação, a que a agência Lusa teve acesso, dias antes do crime, a namorada do arguido contou-lhe que tinha sido assaltada duas vezes, dando a entender que os assaltos teriam sido "encomendados" pela vítima para que a rapariga terminasse o namoro com o arguido e iniciasse uma relação com ele.Convencido da versão da namorada, o arguido delineou um plano a fim de pedir satisfações a Tiago Santos, e informou-a de que "lhe iria fazer a folha", sustenta o Ministério Público. O menor Diogo Antunes acedeu a fazer parte do referido plano.Em conjugação de esforços, refere a acusação, os dois rapazes atraíram o "amigo" Tiago Santos à zona dos armazéns abandonados no Senhor Roubado, Odivelas, onde os três se encontraram.No interior de um dos armazéns, o arguido desferiu um pontapé na cabeça da vítima, quando esta tentava subir para a cobertura onde estava o agressor. No solo, o jovem foi agredido com socos na face pelo menor Diogo Antunes, os quais lhe provocaram a queda.Quando já se encontrava no chão, explica o MP, Tiago Santos foi imobilizado pelo menor, enquanto o arguido lhe apertava o pescoço e dizia que já sabia que tinha sido dele a ideia de assaltar a sua namorada, o que o jovem negou.A vítima conseguiu libertar-se e fugiu para o exterior do armazém, onde foi alcançado pelo arguido que, depois de o encostar a uma parede, o atingiu, pelo menos, 13 vezes com uma navalha ponta e mola, na zona abdominal, no tórax, no pescoço e na cabeça. Prostrado no chão, o jovem foi agredido com pedras atiradas pelo menor Diogo Antunes, que se encontrava no cimo de umas escadas.De acordo com a acusação, a vítima, após várias tentativas de fuga, e quando se encontrava semi-inconsciente, foi arrastada cerca de 50 metros, pelo menor. Ato contínuo, o arguido encharcou as calças e o calçado de Tiago Santos com um produto inflamável (aguarrás) e ateou fogo às suas pernas.Ainda com sinais de vida, a vítima foi atingida pelos dois rapazes com mais pedras, tijolos e pedaços de parede. Os jovens atiraram-lhe também com um bloco de cimento de grandes dimensões em cima da cabeça, tendo depois abandonado o local, quando as pernas da vítima já ardiam, acrescenta a acusação.De seguida, os dois rapazes esconderam a faca nos arbustos das imediações e dirigiram-se para a casa do arguido, onde estiveram a ver um jogo de futebol na televisão.De acordo com o MP, as lesões provocaram a morte de Tiago Santos.O arguido, que se encontra em prisão preventiva, está acusado pelo Ministério Público, em coautoria material, da prática de um crime de homicídio qualificado, punido com uma pena de 12 a 25 anos de prisão.O início do julgamento está agendado para as 14:00 de quinta-feira no Tribunal de Loures.

Mais Notícias

    A carregar...

    Edição Semanal

    Edição nº 1373
    17-10-2018
    Capa Vale Tejo
    Edição nº 1373
    17-10-2018
    Capa Médio Tejo