Arquivo | 18-01-2013 15:27

Prostituição em Chaves motiva petição subscrita por 200 moradores e comerciantes

Moradores e comerciantes da zona histórica de Chaves lançaram uma petição pública, subscrita por duzentas pessoas, exigindo uma maior vigilância policial para travar a prostituição na zona histórica, soube-se hoje junto de fonte envolvida na iniciativa.A petição, com cerca de 200 assinaturas, refere que, ano após ano, a zona histórica se vai degradando tornando-se num ponto de desinteresse social e histórico devido à prática de comportamentos de risco e ilegais.As autoridades e a autarquia, sublinha o documento, foram alertados para a situação, mas ignoram "por completo" as queixas.Além de exigirem mais vigilância, os signatários querem que seja feita uma "investigação real e séria" à prostituição e à cedência de espaços para que ela aconteça.Há, dizem, "facilitadores desta atividade ilegal que repudiamos e consideramos um dos grandes fatores de degradação e mau estar da zona".Os moradores pedem ainda que sejam feitas diligências para acabar ou minimizar "drasticamente" o consumo de droga.Segundo Marcolino Pinheiro, estabelecido há 62 anos numa das ruas mais emblemáticas do centro histórico, há grupos que causam mal-estar aos habitantes com garrafas partidas pelas ruas, consumo de drogas, palavrões e dejetos."Em algumas casas existe prostituição, mas não coloco essas mulheres no campo do crime, porque caem em comportamentos menos saudáveis", afirmou.Apesar de entender as limitações da polícia, o comerciante considera que deveria haver maior controlo para pôr termo à situação e restituir o sossego à população.Outro dos residentes, não se querendo identificar alegando medo de represálias, disse que as entidades vivem de "costas viradas para o problema", quando ele se agrava diariamente.Marcolino Pinheiro explicou que, neste momento, que o número de mulheres que se prostituem tem vindo a aumentar havendo, inclusive, quem lhes ceda casas degradadas para o efeito onde, conforme adverte, se pode registar, a qualquer altura, um incidente como incêndio ou queda de telhado."Há interesses que se estabelecem com a prostituição e a perigosidade aumenta de dia para dia porque há pessoas e grupos novos dando origem a uma mistura explosiva", explicou.Em declarações à Lusa, o vereador com o pelouro do urbanismo, Carlos Penas, referiu que a situação é da competência da PSP, mas adiantou que a autarquia está a regularizar o horário de funcionamento dos bares.O comandante da PSP de Chaves, Luís Alves, disse apenas ter conhecimento da situação através de queixas apresentadas por moradores, pelo que está “atento” e reforçou o patrulhamento na zona.A recuperação da zona histórica poderá passar, segundo os moradores, pela implementação de um plano, simples e de baixo de custo, de pinturas de paredes, de colocação de caixotes do lixo e de fecho de casas desabitadas.

Mais Notícias

    A carregar...

    Edição Semanal

    Edição nº 1373
    17-10-2018
    Capa Vale Tejo
    Edição nº 1373
    17-10-2018
    Capa Médio Tejo