Arquivo | 19-01-2013 00:29

Metropolitano de Lisboa prevê saída de 180 trabalhadores por rescisão amigável e reforma

A administração do Metropolitano de Lisboa indicou hoje que prevê para este ano a saída de 180 trabalhadores, através de rescisões amigáveis e reformas, frisando não estar previsto “o recurso ao despedimento”.“Durante o ano de 2013, está prevista a libertação de 180 colaboradores, por rescisões por mútuo acordo e por saídas naturais (situações de reforma, entre outras), não estando previsto, neste domínio, o recurso ao despedimento”, afirmou, em comunicado, o conselho de administração da Carris e do Metropolitano de Lisboa, empresas cuja fusão foi já anunciada pelo Governo.O comunicado foi emitido depois de a imprensa ter hoje noticiado que o Metropolitano iria despedir 180 pessoas até ao final deste ano.A administração esclareceu que a redução dos 180 postos de trabalho “decorre dos pressupostos fixados pelo Governo no Orçamento do Estado para 2013, que estabelece que as empresas públicas do sector dos transportes deverão reduzir em 20% os seus efectivos, face ao efectivo existente em 01 de Janeiro de 2011”.Tal redução prende-se igualmente com “o processo de reestruturação em curso no Metropolitano de Lisboa, visando a eficiência e a modernização progressiva da empresa”, acrescenta.Na nota, o conselho de administração da Carris e do Metropolitano de Lisboa referiu ainda que “também no tocante à Carris, e no âmbito do processo de integração operacional das duas empresas, se prevê que o número de trabalhadores que venham a sair desta empresa, em 2013, atinja um total estimado de 170 colaboradores”.O número decorre “do processo de reestruturação em curso, iniciado em 2003, bem como dos pressupostos fixados no Orçamento do Estado para 2013 para as empresas do Sector Empresarial do Estado”, concluiu.

Mais Notícias

    A carregar...

    Edição Semanal

    Edição nº 1372
    10-10-2018
    Capa Vale Tejo
    Edição nº 1372
    10-10-2018
    Capa Médio Tejo