Arquivo | 26-10-2013 09:49

Urgências de Caldas da Rainha e Torres Vedras com equipas reduzidas a partir de Novembro

O Centro Hospitalar do Oeste vai reduzir os médicos de algumas especialidades nas urgências de Caldas da Rainha e de Torres Vedras a partir de Novembro, uma medida que foi hoje contestada pela delegação regional da Ordem dos Médicos.Uma circular interna do centro (CHO) datada de quarta-feira, a que a agência Lusa teve acesso, demonstra, em confronto com os números mínimos que a Ordem estabelece para cada especialidade, que a redução de médicos vai ocorrer sobretudo no período nocturno, das 00:00 às 08:00 em ambas as urgências médico-cirúrgicas.Questionado pela Lusa, o CHO esclareceu que "a reorganização das equipas médicas tem por finalidade adaptar a constituição das equipas à afluência de doentes e ao trabalho desenvolvido" e vai entrar em vigor a 01 de Novembro.A medida é contestada pela Ordem dos Médicos. O presidente do distrito do Oeste, Pedro Coito, disse à Lusa que esta reorganização "põe em risco a qualidade do serviço prestado, viola o que está regulamentado e não passa de uma questão economicista sem ter em conta as necessidades dos doentes e dos profissionais".Depois da reestruturação hospitalar aplicada desde maio, com o encerramento da maternidade e de grande parte do internamento pediátrico em Torres Vedras e da ortopedia nas Caldas da Rainha, o cirurgião teme que possa ser mais uma medida "para esvaziar" os dois hospitais e conduzir, no futuro, ao encerramento das urgências.As urgências de Caldas da Rainha e Torres Vedras passam a ter menos um clínico geral, nas 24 horas, e menos um cirurgião, entre as 00:00 e as 08:00.Nesse turno, Caldas da Rainha perde um médico de medicina interna e outro de ginecologia e vê também reduzida a equipa de ortopedistas para metade da existente em Torres Vedras.A equipa de pediatras a sul é reduzida para metade da das Caldas (dois) que, por sua vez, perde também um pediatra entre as 08:00 e as 13:00.Numa carta dirigida ao CHO, a que a Lusa teve acesso, cirurgiões de Caldas da Rainha repudiaram a solução e ameaçaram deixar de assegurar a urgência durante a noite, uma vez que sete dos nove têm mais de 50 anos.Pedro Coito, que é também presidente do colégio de cirurgiões da Ordem, sublinhou que a redução de cirurgiões "vai deixar a urgência despida", uma vez que, se os dois especialistas forem operar, deixa de haver o terceiro que "vai estabilizando e preparando o doente", se surgir uma segunda cirurgia urgente.Os pediatras de Caldas da Rainha também "não aceitam o novo modelo por entenderem que não ficam reunidas as condições mínimas para garantir a qualidade do serviço prestado e a segurança dos doentes", lê-se numa carta dirigida ao CHO, a que a Lusa teve acesso.Segundo o CHO, "o número de médicos cumpre as recomendações de boas práticas e assegura uma adequada resposta, em cada uma das especialidades, à procura que existe na prática".O CHO abrange os concelhos de Alcobaça, Bombarral, Caldas da Rainha, Nazaré, Óbidos e Peniche Cadaval, Lourinhã, Torres Vedras e parte do concelho de Mafra, mas Alcobaça e Nazaré vão passar a ser servidos pelo Hospital de Leiria.

Mais Notícias

    A carregar...

    Edição Semanal

    Edição nº 1359
    11-07-2018
    Capa Vale Tejo
    Edição nº 1359
    11-07-2018
    Capa Médio Tejo