Arquivo | 30-10-2013 10:07

Sindicato dos Correios insatisfeito com garantias da tutela

O Sindicato Nacional dos Trabalhadores dos Correios e Telecomunicações não ficou convencido com as garantias da tutela quanto à protecção dos direitos dos trabalhadores no caso da privatização dos CTT, garantindo hoje que vai manter a luta.De acordo com o secretário-geral do SNTCT, Vítor Narciso, a reunião que terminou terça-feira ao final da noite entre a estrutura sindical e os secretários de Estado das Finanças, Manuel Rodrigues, e das Infraestruturas, Transportes e Comunicações, Sérgio Monteiro, “não resolveu a questão que está em cima da mesa: acabar com a privatização dos CTT”.“Levamos [à reunião] uma série de assuntos que importavam questionar sobre o que se iria passar num cenário de privatização. Foram dadas respostas e garantias de que ficará tudo na mesma, no que diz respeito aos direitos e garantias dos trabalhadores”, disse à agência Lusa Vítor Narciso.Vítor Narciso explicou que a estrutura sindical continua a não concordar com a privatização da empresa, avançando que dentro de 10 dias, a 07 de Novembro, irá reunir a Comissão Executiva para decidir o que fazer no futuro.“Nós continuamos contra a privatização. Não é recomendável, não se justifica. [Os secretários de Estado] garantem que os direitos, garantias e benefícios dos trabalhadores ficam todos na mesma após a privatização, mas queremos ver isso preto no branco”, sublinhou.O mesmo responsável revelou que, após leitura e releitura do decreto sobre a privatização, do relatório do Conselho de Ministro sobre o assunto, o Sindicato “ficou com a ideia de que a empresa seria 70 por cento privatizada”, mas terça-feira foi afirmado que seria até 60 por cento.“O Estado podia querer comprar 10 por cento das acções que vendeu, isso é novidade para nós. Pode ter sido a luta dos trabalhadores ou a opinião pública que tenha levado a esta alteração por parte do Governo”, declarou.

Mais Notícias

    A carregar...

    Edição Semanal

    Edição nº 1381
    13-12-2018
    Capa Médio Tejo
    Edição nº 1381
    13-12-2018
    Capa Vale Tejo