Arquivo | 31-10-2013 09:13

Portugueses poupam mais do que em 2011, mas muito menos do que em 2000

O Dia Mundial da Poupança assinala-se hoje, em ambiente de crise, e dados do Instituto Nacional de Estatística (INE) indicam que os portugueses poupam mais do que em 2011, mas, segundo a Pordata, muito menos do que em 2000.Os dados do INE indicam que, no final de Junho, os portugueses poupavam 13,6% do rendimento disponível, um valor acima do registado nos dois anos anteriores (11,6% em 2012 e 9,1% em 2011), o que denota um aumento da poupança, apesar do corte de rendimentos provocado pelo aumento de impostos, pelo desemprego e os cortes de salários.A base de dados Pordata, da Fundação Francisco Manuel dos Santos, no entanto, observa que estes valores são muito inferiores aos 17,3% que se registaram em 2000, e lembra que “as autoridades continuam a reforçar a necessidade de poupança – sobretudo devido aos temores em relação à sustentabilidade do sistema de Segurança Social”.“O Banco de Portugal [BdP] e restantes autoridades recomendam que cada família tenha no banco o equivalente a seis meses de rendimentos, por forma a fazer face a imprevistos”, sublinha a Pordata.Dados do Eurobarómetro, relativos a Dezembro de 2012, compilados pelo portal "Conhecer a Crise", também da Fundação Francisco Manuel dos Santos, referem que 53% das famílias admitem ter dificuldade em pagar as contas algumas vezes, um número que desce para 25% quando a pergunta é "a maior parte das vezes".Apenas 22% das famílias revelam que nunca ou quase nunca têm dificuldade em pagar as contas.No segundo trimestre deste ano, mais de 70% do consumo privado das famílias foi realizado em bens não alimentares e serviços (despesas com electricidade, luz, gás, farmácia, vestuário, calçado, combustíveis, jornais, rendas de casa, educação e serviços financeiros, entre outros).Os dados do portal indicam que apenas 6,7% do consumo privado foi alocado a bens duradouros e os restantes 21,4% foram usados para consumo de bens alimentares, uma distribuição que se tem mantido estável nos últimos quatro trimestres.Em 2012, o consumo privado caiu menos que no ano anterior, tendo a taxa de variação homóloga ficado em 2,1% negativos, contra os menos 4,5%, em 2011.Dados do BdP indicam que, em agosto, os particulares tinham depositado 132 mil milhões de euros nos bancos, ou seja, mais 12,9% do que há cerca de três anos, quando se considera que a economia entrou em recessão técnica (quarto trimestre de 2010).A divulgação dos dados da Pordata e do portal "Conhecer a Crise", que “permitem conhecer os hábitos dos portugueses em matérias como a poupança e o consumo privado”, coincide com o Dia Mundial da Poupança.O Dia Mundial da Poupança celebra-se a 31 de Outubro e foi criado em 1924, no I Congresso Internacional de Economia, realizado na cidade de Milão, em Itália.

Mais Notícias

    A carregar...

    Edição Semanal

    Edição nº 1360
    19-07-2018
    Capa Médio Tejo
    Edição nº 1360
    19-07-2018
    Capa Vale Tejo