Arquivo | 11-11-2013 16:32

Situações de fraude na base de novas regras do Rendimento Social de Inserção admitiu Ministro da Solidariedade

O ministro da Solidariedade admitiu hoje que as novas regras de atribuição do Rendimento Social de Inserção tiveram por base situações de fraude, adiantando que, até 2012, havia cerca de 60 mil beneficiários não inscritos nos centros de emprego.O ministro da Solidariedade, Emprego e Segurança Social, Mota Soares, está a ser ouvido no Parlamento, no âmbito da discussão na especialidade do Orçamento do Estado para 2014, em sede de Comissões de Orçamento, Finanças e Administração Pública e Segurança Social e Trabalho.Em resposta a uma pergunta da deputada do Bloco de Esquerda Mariana Aiveca, sobre o Rendimento Social de Inserção (RSI), o ministro Pedro Mota Soares admitiu que as alterações feitas às regras de atribuição das prestações sociais, em 2011, tiveram como causa a detecção de situações de abuso e de fraude."Até 2012, cerca de 60 mil beneficiários estavam a receber RSI sem sequer estarem inscritos no Instituto de Emprego e Formação Profissional, e entendemos que isso não é algo correto de ponto de vista da justiça social", defendeu Mota Soares.Segundo o ministro, estavam em causa pessoas com idade "para estarem no mercado de trabalho e que não estavam".O ministro justificou que é preciso combater as situações de fraude e de abuso, apontando que foi por isso que introduziram condições de recursos e outras alterações como a necessidade de um contrato de inserção, com a definição de direitos e obrigações, antes de o beneficiário começar a receber a prestação social.

Mais Notícias

    A carregar...

    Edição Semanal

    Edição nº 1355
    13-06-2018
    Capa Vale Tejo
    Edição nº 1355
    13-06-2018
    Capa Médio Tejo