Arquivo | 29-11-2013 12:22

Arquitecto português residente em Londres escolhe Lisboa para primeira mostra individual

RED é o nome da primeira exposição individual do português Bruno Castro Santos, desde que trocou a arquitectura pela pintura, tendo feito questão de mostrar a obra em Lisboa, primeiro, apesar de residir em Londres."Portugal é o meu país. Tenho uma enorme admiração pela cultura portuguesa, pelos artistas portugueses e pela arte que se produz em Portugal. Expor o trabalho é uma forma de nos responsabilizarmos por ele", disse à agência Lusa.A mostra será composta por desenhos e pinturas - nove de escala média e dez de pequena dimensão -, e vai estar patente na Sala do Veado no Museu Nacional de História Natural e da Ciência, em Lisboa, durante um mês, do próximo dia 05 de Dezembro a 05 de Janeiro de 2014.São, essencialmente, de acordo com a apresentação da mostra, obras de um "vermelho intenso", feitas com tinta têxtil.Bruno Castro Santos foi arquitecto durante dez anos em Lisboa, com atelier próprio, que fundou após a conclusão de estudos superiores nos Estados Unidos da América, na Califórnia, e na Universidade de Columbia, em Nova Iorque.Como arquitecto, foi distinguido em Genebra, com o 1.º prémio do Pavilhão Português na mostra de arquitectura, em 2000, nos Estados Unidos e no concurso internacional para "Uma visão de Kyoto no século XXI", que lhe valeu uma menção honrosa do júri que integrava, entre outros, os arquitectos Tadao Ando e Rem Koolhas.Em 2008, porém, Bruno Castro Santos, então com 36 anos, decidiu dedicar-se à arte e concluiu os programas avançados da Ar.Co, em Lisboa, retomando um interesse que desenvolvera na juventude e que então o levara a frequentar o curso da Sociedade Nacional de Belas Artes."A arquitectura e a arte foram dois universos sempre presentes, duas disciplinas complementares. Mas senti necessidade de me dedicar inteiramente à arte", justificou, em declarações à Lusa.A viver em Londres há cerca de um ano, o artista valoriza a "riqueza cultural desta cidade, não só em termos de arte", e também o efeito que viver no estrangeiro tem no seu trabalho."Porque vimos de fora, olhamos e sentimos de um modo ampliado, reparamos em coisas e fazemos associações que um local já não repara ou faz, porque o contexto não nos é próximo nem familiar".

Mais Notícias

    A carregar...

    Edição Semanal

    Edição nº 1356
    20-06-2018
    Capa Vale Tejo
    Edição nº 1356
    20-06-2018
    Capa Médio Tejo