Arquivo | 01-12-2013 10:51

Portugueses Miguel Ribeiro e Elisabete Lopes no pódio da meia maratona de Macau

O atleta português Miguel Ribeiro ficou em segundo lugar na prova masculina da meia maratona de Macau e a portuguesa Elisabete Lopes, vencedora do ano passado, garantiu um terceiro lugar, tendo ambas as corridas sido vencidas por quenianos.Miguel Ribeiro, de 26 anos, cumpriu os 21 quilómetros da meia maratona de Macau em 1:06.27 horas, tempo próximo do seu recorde de 1:05.54 horas, tendo sido apenas ultrapassado pelo queniano Silas Muturi Gichovi, que fez a prova em 1:04.36, seguindo-lhe, em terceiro lugar, o também o queniano John Lorira.Elisabete Lopes, de 38 anos, fez a prova em 1:18.49 horas, classificando-se em terceiro lugar, tendo sido ultrapassada pelas quenianas Edinah Koech (1:16.26 horas), vencedora, e Naomi Muriuki (1:18.32 horas), que ficou em segundo lugar."Fiquei próximo do meu recorde pessoal, deu para ver que estou bem, o clima não dificultou grande coisa, apesar do vento, foi bom", disse Miguel Ribeiro à agência Lusa no final da corrida, que marcou a sua estreia na competição de Macau.Ao salientar que hoje, em Macau, "fez-se sentir sobretudo o vento e a humidade nem tanto", o atleta considerou que "a temperatura estava boa" e que, por isso, teve as "condições ideais para fazer uma boa prova", na qual diz ter superado as expectativas "em termos de tempo" e cumprido o objetivo de "ficar entre os cinco primeiros".Em Macau, acrescentou, "só falta uma coisa, o público, mas também se deve à hora da prova", que começou às 05:30 (21:30 de sábado em Lisboa), antes do nascer do sol e meia hora depois de começar a maratona.Por sua vez, Elisabete Lopes disse que a "prova correu bem e que o [seu] objectivo, que era o pódio, está cumprido"."Este ano estava um bocado nervosa, não sei se foi com a pressão do facto de no ano anterior ter ganhado cá, mas está cumprido o objectivo, estou contente", sustentou no final da prova em declarações à Lusa, considerando que o "tempo ajudou", apesar do vento.A atleta Fernanda Ribeiro, que chefia este ano a delegação portuguesa em Macau, considerou que a participação nacional foi positiva."O tempo esteve excelente, foi a primeira vez que estive em Macau sem calor e humidade e isso ajudou os nossos atletas, por isso, acho que correu tudo muito bem e quero dar os parabéns a Macau por organizar esta competição há tantos anos e por nos convidar, porque acho que é muito importante estarmos aqui", disse.Para o ano, Fernanda Ribeiro garante que, se for convidada, voltará a Macau, mas para correr.Na meia maratona masculina de Macau, além de Miguel Ribeiro, outros quatro atletas lusófonos terminaram a prova nos 15 primeiros lugares, nomeadamente o cabo-verdiano Elidio Freire, que ficou em quinto, o timorense Augusto Soares, em oitavo, o são tomense Gil Quintas, em nono, e o guineense Alexandre Djata, em décimo lugar.Na prova feminina, além de Elisabete Lopes, outras três atletas lusófonas ficaram entre as primeiras 15 classificadas, nomeadamente a cabo-verdiana Crisolita Silva, a são-tomense Djamila Tavares e a timorense Natércia Maia.A meia maratona de Macau, com partida e chegada no estádio de Macau, na ilha da Taipa, contou com dois mil participantes e tem como melhores tempos 1:02.55 horas na prova masculina, que foi obtido em 1997 pelo queniano Hezron Otwori, e 1:15.31 horas na prova feminina, obtido também em 1997 pela queniana Beatrice Omwansa.Os três melhores classificados têm direito a prémios no valor de 3.000 dólares norte-americanos (2.200 euros), 1.500 (1.100 euros) e 1.000 dólares (736 euros), respectivamente.

Mais Notícias

    A carregar...

    Edição Semanal

    Edição nº 1373
    17-10-2018
    Capa Vale Tejo
    Edição nº 1373
    17-10-2018
    Capa Médio Tejo