Arquivo | 06-12-2013 09:07

Mundo lamenta morte de Mandela um exemplo para a humanidade

A morte do ex-presidente da África do Sul Nelson Mandela, na quinta-feira, gerou uma avalanche de manifestações de pesar de líderes de todo o mundo, que destacam a figura de Mandela como exemplo para a humanidade.“Ele está agora a descansar (…). Ele está agora em paz. A nossa nação perdeu o maior dos seus filhos”. Foi assim que o Presidente da África do Sul, Jacob Zuma, anunciou, numa declaração na televisão, a morte do dirigente da luta anti-apartheid e prémio Nobel da paz, que morreu aos 95 anos depois de meses hospitalizado em estado crítico e se tornou uma referência mundial que atravessou divisões políticas e ideológicas.Em Portugal, o Presidente da República, Aníbal Cavaco Silva, considerou Mandela uma "figura maior da África do Sul e da História mundial" na mensagem de condolências que enviou a Jacob Zuma.Também numa mensagem enviada a Zuma, o chefe do governo português, Pedro Passos Coelho, disse que Mandela "será uma referência inspiradora para as gerações futuras", enquanto o chefe da diplomacia, Rui Machete, considerou que desapareceu “uma grande figura” que deu um exemplo que deve permanecer na memória das pessoas.A figura, muitas vezes descrita como "maior que a vida", de Nelson Mandela suscitou manifestações generalizadas de admiração e vassalagem ao seu exemplo.O secretário-geral das Nações Unidas, Ban Ki-moon, disse que "muitos no mundo inteiro foram influenciados pela sua luta altruísta pela dignidade, igualdade e liberdade humana. Ele tocou as nossas vidas de uma forma muito pessoal”.O Presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, prometeu "fazer tudo para seguir o exemplo" de Mandela, classificando-o como "um homem corajoso e profundamente bom".Mandela "sacrificou a sua liberdade em prol da liberdade dos outros", transformando a África do Sul e o mundo inteiro, declarou Obama.Para o primeiro-ministro britânico, David Cameron, “uma grande luz extinguiu-se no mundo”, enquanto a chanceler alemã, Angela Merkel, recordou Nelson Mandela como um "exemplo para o mundo inteiro" e disse que os anos que passou na prisão não o fizeram desviar-se da mensagem pela reconciliação.O presidente da Comissão Europeia, Durão Barroso, homenageou Nelson Mandela como "uma das maiores figuras políticas dos nossos tempos", manifestando-se de luto pela morte de um estadista que conheceu pessoalmente e a chefe da diplomacia europeia, Catherine Ashton, expressou a sua admiração pelo antigo presidente da África do Sul e assegurou que todos os democratas estão em divida para com ele.No Brasil, a Presidente Dilma Rousseff afirmou que o exemplo de Nelson Mandela "vai guiar os que lutam pela justiça e pela paz", considerando que os brasileiros receberam "consternados" a notícia da morte de Mandela, a quem os sul-africanos chamam 'Madiba' com reverência.Na África do Sul, o arcebispo emérito Desmond Tutu, classificou o seu compatriota e Prémio Nobel da Paz como um homem que ensinou uma Nação dividida a unir-se e o Congresso Nacional Africano (ANC), maior partido do país, no poder desde 1994 e de que Mandela foi líder, lamentou a morte do "camarada Presidente".“A nossa nação perdeu um colosso, um epítome de humildade, igualdade, justiça, paz e esperança para milhões, aqui e no estrangeiro”, afirmou o secretário-geral do ANC, Gwede Mantashe.A morte de Mandela suscita homenagens também fora da esfera política."Hoje o mundo perdeu um dos verdadeiros gigantes do século passado" disse o actor Morgan Freeman, que interpretou o líder sul-aficano no filme "Invictus", realizado por Clint Eastwood e nomeado para os Óscares em 2009.Idris Elba, que interpreta Mandela no filme "Mandela: O Longo Caminho para a Liberdade", que acaba de estrear nos EUA, disse: "Que honra foi entrar na pele de Nelson Mandela e representar um homem que desafiou as adversidades, quebrou as barreiras e defendeu os direitos humanos aos olhos do mundo”.Em homenagem a Nelson Mandela, todas as bandeiras da África do Sul permanecerão a meia haste a partir de hoje e durante os nove dias de cerimónias fúnebres, três dos quais reservados para a família.

Mais Notícias

    A carregar...

    Edição Semanal

    Edição nº 1363
    08-08-2018
    Capa Vale Tejo
    Edição nº 1363
    08-08-2018
    Capa Médio Tejo