Arquivo | 23-12-2013 10:23

Cáritas apoia 800 pessoas em Castelo Branco, mais 380 do que em 2012

A Cáritas Interparoquial de Castelo Branco dá hoje apoio a 800 pessoas, mais 380 do que em 2012, disse hoje à agência Lusa a presidente da direcção.“Os números nunca foram tão altos. Este é o número mais elevado que atingimos”, disse à agência Lusa a presidente da direção da Cáritas Interparoquial, que integra as três paróquias de Castelo Branco.Fátima Santos explicou que a Cáritas fornece 92 refeições diárias, quando a capacidade máxima é de 100 refeições por dia.“Nas cantinas sociais não temos ninguém em lista de espera. As cantinas são uma resposta para quem precisa efectivamente e esses beneficiários são acompanhados com regularidade”, referiu a responsável.As refeições são confeccionadas nos dois polos da Associação Portuguesa de Pais e Amigos do Cidadão Deficiente Mental – APPACDM, a Câmara de Castelo Branco disponibiliza uma viatura e um motorista para o transporte das refeições e os voluntários da Cáritas fazem a distribuição porta a porta.Fátima Santos disse que antes de surgir o programa de apoio da Segurança Social, a parceria entre a Cáritas, Câmara de Castelo Branco e APPACDM, “já existia, desde Março de 2011, num molde diferente, mas muito bem pensado”.A Cáritas, além de prestar apoio alimentar às famílias mais necessitadas, ajuda a pagar algumas despesas essenciais, como a energia eléctrica, gás, água ou até a renda de casa.“Pontualmente, pode haver outros apoios, mas fundamentalmente são nestes que nos focamos, porque para as pessoas viverem com dignidade têm que ter acesso a estes serviços”, disse.A presidente da Cáritas referiu também que há uma “nova realidade” em Castelo Branco.Afecta, sobretudo, pessoas “que tinham uma vida normal e que devido ao desemprego caíram numa situação de pobreza envergonhada”.“Dói muito. Preocupam-me estas pessoas porque não há respostas para elas. O que podia valer a essas pessoas era um emprego, mas isso não podemos dar, infelizmente”.Fátima Santos refere ainda que, neste momento, “as pessoas que estão a viver pior são os beneficiários do Rendimento Social de Inserção (RSI), porque as prestações baixaram muito”.A Cáritas faz regularmente cruzamento de dados com outras instituições e tem um conjunto de critérios para os pedidos de ajuda.“Temos que seguir alguns critérios, porque temos que dar a quem mais precisa”, disse a responsável da Cáritas.Outra instituição que está a prestar apoio aos mais necessitados é a Cruz Vermelha Portuguesa (CVP).A delegação de Castelo Branco presta actualmente apoio a 100 famílias da cidade.Rita Sousa, responsável pelo Espaço Solidário, local onde se distribuem alimentos e roupas pelas famílias carenciadas, refere que se nota um aumento no número de pessoas que recorrem à CVP.“Neste momento, um dos critérios que assumimos é o de apoiar só pessoas da cidade de Castelo Branco, porque de outra forma não conseguíamos fazer face aos pedidos de ajuda”, disse a assistente social.E, tal como a presidente da Cáritas, Rita Sousa reafirma que aparecem pessoas a pedir ajuda na CVP que “tinham uma vida normal, mas que perderam o emprego e não conseguem fazer face às despesas diárias mais básicas”.“O pobre ou carenciado, antes da crise, era aquela pessoa que era olhada como um coitado ou como alguém que não tinha capacidades. Hoje, isso mudou, e as pessoas sabem que é uma situação na qual qualquer um pode cair”, refere a assistente social da CVP.

Mais Notícias

    A carregar...

    Edição Semanal

    Edição nº 1373
    17-10-2018
    Capa Vale Tejo
    Edição nº 1373
    17-10-2018
    Capa Médio Tejo