Arquivo | 26-12-2013 16:41

Carne de bovino de raça mirandesa à conquista do mercado russo

A Cooperativa Agropecuária Mirandesa (CAM) iniciou a exportação de carne de bovino de raça mirandesa para a Rússia, país que começa a dar "nota positiva" a esta raça autóctone do Nordeste Transmontano."Estamos a exportar para a Rússia através de uma plataforma comercial existente no Luxemburgo e o retorno tem-se revelado muito promissor", disse hoje à Lusa o administrador da CAM, Nuno Paulo.Segundo o responsável, os russos estão mesmo a "render-se" ao paladar desta carne produzida e embalada na região nordestina.No entanto, países como Angola ou o Dubai fazem já parte da lista de clientes da carne mirandesa.No mercado europeu, a CAM já exporta de forma regular carne para países como a França, Suíça, Luxemburgo e Andorra.Face a esta política de "expansão" adoptada pela CAM, através da sua unidade transformadora situada em Vimioso, o volume de negócios para 2013 vai crescer cerca de 12 por cento, o que se traduzirá numa facturação que rondará os três milhões de euros.Em 2013 foram comercializadas mais de 300 toneladas de carne em carcaça em Portugal e no estrangeiro.O mercado francês já representa cerca de oito por cento das vendas de carne mirandesa da cooperativa, que actualmente comercializa mais de 2.500 carcaças por ano.Por isso, a CAM está a incrementar uma estratégia de promoção junto de outros mercados, de forma a incentivar o consumo.Os dirigentes da cooperativa estão cientes de que há outros mercados com potencial, embora reconheçam a necessidade de se ter "algumas cautelas" com os negócios."Não estamos a vender mais carne para o estrangeiro porque as garantias de pagamento apresentadas por alguns países não são fiáveis ", acrescentou o técnico.O Solar da Raça Mirandesa, que engloba os concelhos nordestinos de Miranda do Douro, Vimioso, Mogadouro, Bragança, Macedo de Cavaleiros e Vinhais, dispõe de um efectivo pecuário de cerca de 4.000 vacas.Espalhados por todo o país estão mais de 5.100 animais de raça bovina mirandesa, uma espécie autóctone protegida por denominação comunitária e que já esteve ameaçada de extinção.Para satisfazer as necessidades do mercado externo será preciso aumentar o efectivo de animais e, para o efeito, é "importante incentivar os produtores a criarem mais animais", já que trata de uma raça "com potencial de mercado".

Mais Notícias

    A carregar...

    Edição Semanal

    Edição nº 1373
    17-10-2018
    Capa Vale Tejo
    Edição nº 1373
    17-10-2018
    Capa Médio Tejo