Cultura | 18-07-2008 08:27

Corrida da Mulher sem forcados de Coruche

Os Forcados Amadores de Coruche não vão pegar toiros na Corrida da Mulher 2008 como estava previsto no cartel já espalhado pelas ruas da vila. Os Amadores de Lisboa substituem os anfitriões na corrida a ser transmitida sábado, pela TVI, a partir das 22h30, inserida no CCH Festival – Semana da Juventude de Coruche.Em causa está o que o cabo dos Amadores de Coruche, Amorim Ribeiro Lopes, considera ser um cartel composto por agrupamentos de forcados que não estão à altura de uma corrida como a de sábado e de acordo com a categoria da praça, considerada “de primeira” pela Inspecção Geral das Actividades Culturais. Os outros grupos escolhidos foram os do Aposento da Chamusca e de Cuba.Em carta dirigida dia 7 ao empresário da praça coruchense, a que O MIRANTE teve acesso, Amorim Ribeiro Lopes, recorda que foi contactado inicialmente e aceitou que o grupo pegasse os seis toiros da ganadaria Dr. Brito Paes. “Mais tarde, em novo contacto, foi-me transmitido que talvez participassem mais dois grupos, situação que aceitei desde que fossem garantidos grupos com historial, prestígio e provas dadas”, justifica o cabo do grupo de Coruche. Que ficou a saber que teria de actuar com os forcados do Aposento da Chamusca e de Cuba e decidiu não participar na corrida em causa.Contactado por O MIRANTE, o empresário da praça lamenta que um equívoco gerado entre si e Amorim Ribeiro Lopes resulte na ausência do grupo coruchense. Inácio Ramos fala em “mal-entendido” na conversa entre ambos, mas diz respeitar a opinião do cabo dos Amadores de Coruche. “Convidei os amadores do Aposento da Chamusca porque já os vi actuar e mostraram qualidades. Em relação ao agrupamento de Cuba, são jovens, estão a começar e têm dado cartas. Há que dar oportunidades aos consagrados mas também aos mais novos”, justifica Inácio Ramos.O empresário, que detém também as praças de Moura e Alpalhão, lembra que há vários anos na Moita foi muito contestado por escolher para uma corrida os Amadores de Coruche, quando na altura não tinham tanto cartel. “Acabaram por ser o grupo da corrida ou levaram o prémio da melhor corrida”, recorda o empresário. Amorim Ribeiro Lopes lamenta que o assunto não tenha tido a melhor solução e assegura que não é postura do grupo causar situações de constrangimento, dizendo ainda nada ter contra os grupos que vão actuar. Garante que a situação causada não invalida que possam vir a receber convites do mesmo empresário para outras corridas.

Mais Notícias

    A carregar...

    Edição Semanal

    Edição nº 1363
    08-08-2018
    Capa Médio Tejo
    Edição nº 1363
    08-08-2018
    Capa Vale Tejo