Cultura | 23-05-2009 09:07

José Cid aplaude alargamento dos direitos conexos dos artistas do 50 para 70 anos

O músico da Chamusca José Cid elogiou a decisão de Portugal apoiar o alargamento dos direitos conexos dos artistas do 50 para 70 anos, defendida numa proposta comunitária.No dia em que foi distinguido com o Prémio Consagração de Carreira pela Sociedade Portuguesa de Autores (SPA), José Cid defendeu que os artistas têm que beneficiar pela criatividade enquanto autores."Finalmente o ministro da Cultura teve uma atitude boa", referiu José Cid, sugerindo que o alargamento devia ser superior a 70 anos, porque os direitos de autor são inalienáveis."Deviam ter passado para 170. Temos que beneficiar da nossa criativadade, o sonho tem que ser pago, porque muitas vezes é punido. É sempre uma compensação", sublinhou o músico.Quanto ao prémio de carreira atribuído pela SPA, José Cid afirmou estar "felicíssimo", porque "no fundoeé também uma homenagem a dez músicos que antes dos anos 1970 e depois dos 1970 se bateram por uma causa"."Portugal, no final dos 1960 e no princípio de 1970, foi seguramente um dos cinco países com a melhor música que se fez no mundo inteiro e isso não foi percebido", lamentou o cantor português.Cáustico, como foi há mais de dez anos quando se despiu em protesto contra as "playlists", José Cid voltou a criticar as rádios portuguesas por "passarem repetitivamente as mesmas coisas"."Eu não sou a favor das `playlists´, sou a favor dos radialistas que tenham ideias, que tenham liberdade de escolherem aquilo que querem", criticou o músico."As rádios ditatoriais podem esgotar-se por falta de ouvintes, porque as pessoas podem hoje fazer zapping. Hoje os grandes canais de televisão são os zappings. Ninguém se liga num programa de seca", alertou José Cid.

Mais Notícias

    A carregar...

    Edição Semanal

    Edição nº 1372
    10-10-2018
    Capa Vale Tejo
    Edição nº 1372
    10-10-2018
    Capa Médio Tejo