Cultura | 20-10-2013 00:39

Há 250 línguas ameaçadas na Europa e metade vai desaparecer em duas gerações

Mais de metade das 250 línguas minoritárias na Europa vão desaparecer no espaço de uma a duas gerações, concluíram cerca de cem investigadores, presentes no Congresso Internacional sobre Línguas Ameaçadas, que se realizou este sábado, 19 de Outubro, em Minde."Estão identificadas 250 línguas ameaçadas em toda a Europa e, a cada duas semanas, há uma que desaparece, quando se perde o último falante", disse à agência Lusa a presidente do Centro Interdisciplinar de Documentação Linguística e Social (CIDLeS), Vera Ferreira, que organiza o congresso."Em todo o Mundo existem 6700 línguas e vamos perder mais de metade dessas línguas no espaço de uma a duas gerações. Identificá-las, estudá-las, preservá-las e divulgá-las é o que nos move, enquanto comunidade científica preocupada em intervir e defender a paleta da pluralidade linguística mundial", advogou.O Centro Interdisciplinar de Documentação Linguística e Social, com sede em Minde, Alcanena, organizou o primeiro congresso dedicado a línguas ameaçadas na Europa (ELE 2013 - Endangered Languages in Europe), que reúne, desde quinta-feira, cerca de uma centena de investigadores e linguistas de todos os países europeus e dos "quatro cantos do Mundo", da Austrália ao Gana, Sri Lanka, Uganda e Nepal, para debaterem e partilharem o estado actual e o futuro das línguas ameaçadas e minoritárias."Foi o primeiro Congresso realizado nestes moldes em toda a Europa, e foi um sucesso, desde logo com o cruzamento da informação trabalhada a este nível, em todo o mundo, e aferir aquilo que se faz, não se faz, ou se pode fazer para preservar as línguas minoritárias", disse a linguista à agência Lusa."Uma das conclusões do congresso é sobre a importância premente de investir na tecnologia da linguagem e na linguística documentacional, ou seja, como tratar e desenvolver material didáctico e de investigação", apontou."É importante dar condições e meios à comunidade falante para preservar, divulgar e ensinar a língua ameaçada, desenvolvendo métodos, técnicas e tecnologias da linguagem para chegar aos jovens em ambiente escolar - no nosso caso ensinando o minderico", defendeu.O minderico, ou Piação dos Charales do Ninhou (língua dos habitantes de Minde), está hoje sob a ameaça de extinção, apresentando uma comunidade de mil falantes passivos, 250 falantes activos, 25 dos quais fluentes e dez não falantes, numa população total de 3293 habitantes."É uma língua claramente ameaçada", notou Vera Ferreira, tendo referido que o minderico está a ser alvo de alguns projectos de revitalização, através de aulas para as várias faixas etárias, formação contínua de professores, criação do primeiro dicionário bilingue acompanhado de uma versão multimédia, ou a utilização do minderico em festas, ementas, placas e preçários da vila.O Congresso organizado pelo CIDLeS, fundado em 2010 por um grupo de investigadores e linguistas, resultou em convites para estabelecimento de parcerias com várias universidades europeias."O ELE [congresso] permitiu a criação de 'pontes', e esta iniciativa vai continuar, talvez já em 2014, com projectos e convites de parcerias solicitados por várias universidades europeias, [entre as quais] a universidade de Toulouse, França, a universidade de Vigo, em Espanha, e a SOAS [School of Oriental and African Studies], da Universidade de Londres, que estuda essencialmente as línguas ameaçadas no continente africano", revelou Vera Ferreira.O ELE 2013 encerra esta noite com a realização de um Festival de Bandas de Línguas Ameaçadas, na Fábrica da Cultura de Minde, no concelho de Alcanena, em que participam projectos representando as línguas nativas de seis países.

Mais Notícias

    A carregar...

    Edição Semanal

    Edição nº 1359
    11-07-2018
    Capa Vale Tejo
    Edição nº 1359
    11-07-2018
    Capa Médio Tejo