Cultura | 25-04-2017 19:06

O Museu D’avó que nasceu num palheiro em Mouriscas

O Museu D’avó que nasceu num palheiro em Mouriscas

Iniciativa de um casal que recuperou imóvel no concelho de Abrantes e o abre a quem quiser visitar.

O Museu D'avó em Varandas, Mouriscas, concelho de Abrantes, era uma ideia antiga de Maria Antonieta, agora com 82 anos, antiga professora primária e mulher de Alcínio Serras, 83 anos, charadista, sociólogo e professor reformado de jornalismo e antropologia. “Sou uma pessoa que não deita nada fora” confessa a O MIRANTE Maria Antonieta Serras. Esta avó nunca se aposentou da alegria de viver e de fazer sempre algo mais para si e para os outros e em 2007 criou um museu, num antigo palheiro, mas que está à disposição de quem o quiser visitar. O imóvel vai agora passar para o filho de Maria e Alcínio, o atleta de alta competição residente em Tomar, e é preciso encontrar um novo espaço para que não se perca o espólio.

No museu pode ver-se como era composta uma cozinha antiga, as loiças, os utensílios, os talheres, a panela de cozinhar no chão da lareira, as candeias ou os ferros de engomar a carvão. Está também um quarto, com as antigas as roupas de cama e as peças de vestuário, e até um berço do bebé. Ainda tem composta uma oficina de sapateiro, ofício do pai de Maria Antonieta, com o respectivo livro de contas, uma sala de estudo com os manuais escolares do Estado Novo.

No museu estão ainda expostas balanças, ferramentas de trabalhar a terra, cestas de levar a merenda para o trabalho no campo, bilhas para o azeite, serras e serrotes e toda uma panóplia de objectos usados nas artes e ofícios antigos, alguns já desaparecidos. A maior parte do espólio pertencia à família e algumas peças foram oferecidas por amigos.

* Notícia completa na edição semanal de O MIRANTE.

Mais Notícias

    A carregar...

    Edição Semanal

    Edição nº 1360
    19-07-2018
    Capa Médio Tejo
    Edição nº 1360
    19-07-2018
    Capa Vale Tejo