Desporto | 23-04-2016 13:25

Associação de Setas do Ribatejo sonha com federação para desenvolver modalidade

Associação de Setas do Ribatejo sonha com federação para desenvolver modalidade

Associação de Setas do Ribatejo inaugura a sua sede no dia 24 de Abril, em Marinhais, e quer desenvolver a modalidade amadora que angaria cada vez mais adeptos.

A batalhar pela criação de uma federação portuguesa de setas, a ASR - Associação de Setas do Ribatejo tem finalmente uma sede onde pode reunir os seus sócios e dar a conhecer ao público este desporto amador que tem vindo a crescer no país. A associação está na idade adulta e quer desenvolver a vertente do sisal (setas com pontas de aço) embora também aposte também nas setas de máquina, tentando angariar mais sócios e praticantes. O presidente da associação, Paulo Mota, considera a inauguração da sede, na desactivada Escola Nova de Marinhais, dia 24 de Abril, como um marco na colectividade. Paulo Mota, 42 anos, presidente da ASR há três anos, refere que o facto de não existir uma federação tem impedido os jogadores de participarem em competições internacionais de sisal. "As máquinas são de empresas privadas que conseguem organizar as suas competições europeias e mundiais, mas no sisal é preciso essa federação", afirma Paulo Mota, operador de supermercado, que vive em Marinhais. O dirigente refere que as associações de Lisboa, Porto, Aveiro, Setúbal, Zona Oeste e do Ribatejo que estão a trabalhar na criação da federação, que espera ser uma realidade dentro de dois a três anos.Esta é uma modalidade amadora que tem vindo a crescer com a disseminação de máquinas pelos cafés e colectividades e que cá "ainda não envolve milhões como em Inglaterra", afirma o presidente da ASR. Paulo Mota revela que no país há muitos bons jogadores mas que não Têm oportunidade de se mostrarem lá fora. Com muitos jogadores concentrados na vertente de setas de máquina, as associações juntam-se às marcas para a organização de torneios com o objectivo de dar a conhecer o sisal. O presidente adianta que se gasta cerca de dois mil euros em 50 a 60 alvos de sisal que se desgastam.

Mais Notícias

    A carregar...

    Edição Semanal

    Edição nº 1376
    07-11-2018
    Capa Médio Tejo
    Edição nº 1376
    07-11-2018
    Capa Vale Tejo