Desporto | 08-04-2018 17:36

O campeão europeu que passou a infância em Vialonga

O campeão europeu que passou a infância em Vialonga
Anilton Varela

Anilton Varela vive na Póvoa de Santa Iria e quer treinar jovens do concelho de Vila Franca

Anilton Varela, conhecido como Pany Varela no mundo do Futsal, é jogador do Sporting Clube de Portugal e integrou a selecção nacional que conquistou o Campeonato da Europa da modalidade em Fevereiro deste ano. Vive no Forte da Casa, concelho de Vila Franca de Xira, e foi ali, e na vizinha freguesia de Vialonga, que deu os primeiro passos na modalidade desportiva. Quando se retirar o seu desejo é permanecer ligado ao futsal, de preferência, trabalhando com os jovens do concelho.
“Posso agarrar um projecto já existente ou posso iniciar um projecto novo mas gostava de ajudar jovens porque eu, enquanto jovem, também fui ajudado através do desporto. Através da prática do futsal penso que posso mudar vidas e criar condições para que muitos possam seguir o sonho que eu segui e serem, no futuro, praticantes e profissionais de futsal”, diz a O MIRANTE.
Natural do concelho do Tarrafal, na ilha cabo-verdiana de Santiago, Anilton chegou a Portugal em 1999, com 10 anos, na companhia de seus pais. A família foi viver para o Forte da Casa. No entanto, ele passou grande parte da sua infância no bairro da Icesa, em Vialonga, onde morava uma tia com quem ele ficava enquanto os pais estavam a trabalhar.
Conta que foi nas ruas que aperfeiçoou o português e que começou a adquirir o gosto pelo Futsal. Quem mais influenciou a sua ligação à modalidade foi um primo mais velho que, notando as suas potencialidades, o levou para treinar n’Os Patuscos, um clube do bairro. Com 13 anos muda-se para o Clube Recreativo e Cultural do Forte da Casa, onde faz a formação que considera ter sido “fundamental” para chegar onde chegou.
“Quando não tinha aulas ou treinos passava o tempo a jogar futebol nos ringues perto da Junta de Freguesia do Forte da Casa, em torneios organizados com as equipas dos vários bairros. Olhando para essa altura acho que cresci no sítio ideal”, sublinha o ala da selecção nacional.
Pany Varela conta que era um aluno razoável mas que podia ser melhor se não colocasse sempre o Futsal em primeiro lugar. Acrescenta que a obsessão que desenvolveu pela modalidade o afastou de maus caminhos.
Durante a adolescência conviveu de perto com essa realidade e reconhece que era fácil para um adolescente seguir por estes caminhos.“Tu quando jogas à bola e tens verdadeira paixão pelo que fazes, envolves-te de tal maneira que acabas por te afastar de tudo o resto. Na adolescência vi alguns seguirem por maus caminhos mas também testemunhei como o desporto afastou muitos outros de problemas”, declara.
Por causa disso pede aos políticos locais para darem a máxima atenção aos recintos desportivos, incluindo a iluminação. “Quando era novo ficava muito chateado quando chegava às oito da noite e tinha de ir para casa porque já não se via nada no campo e não podíamos continuar a jogar”, diz a rir.
A carreira do campeão europeu começou com a formação entre 2003 e 2006 no Forte da Casa, tendo completado a formação no Benfica, entre 2006 e 2008. Continuou no Benfica até 2011, jogando posteriormente no Belenenses, no SL Olivais e no Fundão, antes de ingressar no Sporting em 2016.
Anilton Pany Varela voltou a residir na Póvoa de Santa Iria após os três anos que passou no Fundão mas, devido aos treinos, passa a maior parte do tempo em Lisboa, o que o leva a confessar que não está tão atento à vida do concelho como acha que deveria estar. No entanto participa em alguns eventos como por exemplo as festas da cidade.
Quer continuar a viver na Póvoa de Santa Iria, onde se sente em casa, porque considera que é o lugar ideal para constituir família e educar crianças e tudo faz para passar a mensagem da qualidade de vida do concelho de Vila Franca de Xira. “Muitas vezes desafio os meus colegas de equipa para virem morar para aqui”, diz.

Mais Notícias

    A carregar...

    Edição Semanal

    Edição nº 1346
    11-04-2018
    Capa Vale Tejo
    Edição nº 1346
    11-04-2018
    Capa Médio Tejo