Desporto | 17-06-2018 14:06

“Gosto de sentir o meu corpo a chegar ao limite”

“Gosto de sentir o meu corpo a chegar ao limite”
Foto DR Gabriela Cardoso Ribeiro

Gabriela Cardoso Ribeiro é uma jovem triatleta que quer chegar a profissional nesse desporto. Já conquistou vários títulos e, aos 17 anos, foi homenageada pela União de Freguesias de Alverca do Ribatejo e Sobralinho.

Com dezassete anos, a atleta de triatlo Gabriela Cardoso Ribeiro foi a mais nova galardoada de mérito deste ano pela União de Freguesias de Alverca do Ribatejo e Sobralinho, no dia do 21º aniversário da elevação do Sobralinho a vila. Sonha vir a ser triatleta profissional mas tem um plano B, caso o sonho não se realize: ser educadora de infância como a mãe.
Mas Gabriela não se limita a sonhar, porque já conquistou quase duas mãos cheias de títulos tanto nacionais como internacionais. De 2014 a 2017, foi campeã nacional de triatlo em juvenis e em cadetes, consoante o escalão etário em que se encontrava. Em 2016 conquistou o 5º lugar individual na Taça da Europa, em Quarteira; em 2017, esteve em Espanha, na Lituânia e na Madeira em Campeonatos da Europa e trouxe para Alhandra segundos e terceiros lugares.
Viveu no Sobralinho até ao ano passado, quando se mudou para Alhandra. Traz na memória os vários passeios de bicicleta que fazia, aos sete anos, pela zona do palácio “com um senhor de lá”. O “senhor” de quem fala Gabriela é João Moca, amigo da família que sempre a apoiou e incentivou a vencer os seus medos no ciclismo. Porque uma campeã nacional também tem os seus medos…
“Uma vez, com mais ou menos onze anos, participei numa prova em Aveiro em que tive uma queda grave e fiquei com medo de voltar a pedalar e ele [João Moca] ajudou-me a superar o medo. Foi dar umas voltinhas comigo de bicicleta pelo Sobralinho, com calma, para eu voltar a ganhar confiança”, conta a triatleta.
Gabriela começou por praticar natação no Alhandra Sporting Club. Esteve na dança mas acabou por seguir as pisadas do irmão, Rafael Ribeiro, que já praticava triatlo e que hoje é treinador adjunto no clube. Iniciou-se na modalidade e, até agora, nunca mais parou.
Confessa que o ciclismo é a modalidade do triatlo em que se sente menos à vontade, por isso esse apoio do amigo e a máxima da mãe - “com esforço tudo se consegue” - dão-lhe a força necessária para seguir em frente. “Eu gosto de arriscar. Com alguns medos, mas gosto de os superar”, acrescenta.

Conjugar estudos com desporto e amigos
A jovem atleta diz que pode ser uma criança para este desporto, por ainda só ter 17 anos, mas sente que já viveu muita coisa: “Este desporto fez-me crescer como atleta a todos os níveis, devido aos resultados que tenho alcançado, mas também me fez crescer enquanto pessoa. Passei a conseguir trabalhar mais em equipa, a perceber melhor as pessoas, sentir mais o meu corpo”. E remata: “Gosto de sentir o meu corpo a chegar ao limite”.
Bisneta de Amâncio Aleixo, um dos primeiros galardoados e fundador do Centro Social para o Desenvolvimento do Sobralinho, Gabriela segue caminho em direcção ao seu sonho e plano A, mas não perde de vista o plano B: está a tirar o curso de Técnica de Apoio Psicossocial e vai conseguindo gerir bem estudos e amigos. Ou não dissesse em tom decidido: “Eu não abdico de nada”.

Mais Notícias

    A carregar...

    Edição Semanal

    Edição nº 1368
    12-09-2018
    Capa Vale Tejo
    Edição nº 1368
    12-09-2018
    Capa Médio Tejo