Economia | 13-10-2006 11:55

Três novas superfícies comerciais em Santarém

A Câmara de Santarém autorizou segunda-feira a instalação na cidade de estabelecimentos comerciais das cadeias StationMarché, VetiMarché e Netto (ligados ao grupo que explora os supermercados Intermarché). Como contrapartida, esse grupo empresarial e mais três empresas com projectos imobiliários para a zona da Quinta do Mergulhão comprometem-se a fazer a há muito projectada Rua P. Bem como a ceder um terreno com 3.500 metros quadrados para construção de uma escola e a criar um “mega parque infantil”.Recorde-se que, já no anterior mandato, a então maioria socialista havia negociado com os promotores a instalação dessas superfícies comerciais na zona da Quinta do Mergulhão, junto à zona onde está implantada a loja da Staples Office Center. Na altura terá ficado acordado que o grupo devia construir a Rua P como compensação.Uma compensação escassa para a autarquia na opinião do presidente da Câmara de Santarém, Francisco Moita Flores (PSD), que acabou por conseguir obter maior retorno do negócio para a autarquia. O acordo prevê ainda a permuta de terrenos entre os promotores e a autarquia. Na reunião do executivo de segunda-feira estiveram presentes dois técnicos da empresa que elaborou o estudo do possível impacte decorrente da instalação de mais grandes superfícies comerciais na cidade. De entre as conclusões ressalta a convicção de que há margem de absorção para esse tipo de empreendimentos, embora com a implementação de medidas para mitigar os impactos negativos que possam resultar do acréscimo de tráfego nalgumas zonas.Baseados num inquérito feito a 250 pessoas, os autores do estudo consideram que a implantação de mais grandes superfícies, em termos de desenvolvimento socio-económico, pode ser superior à “não adaptabilidade” aos novos desafios de algum comércio local.O vereador da CDU José Marcelino lembrou que a cidade já está servida de uma série de unidades de grande dimensão. E revelou preocupação sobre o impacto que algumas das novas grandes superfícies podem ter nos estabelecimentos de pronto-a-vestir, já que pelo menos uma delas vai actuar nesse ramo específico.Em declarações à comunicação social, o presidente da câmara afirmou que “Santarém não pode crescer ferindo e provocando a infelicidade seja de alguns, seja de muitos”. Por isso, continua, “vamos com todas as cautelas fazer a implementação destes espaços de acordo com esse estudo e com as propostas que nos forem chegando”. Segundo o autarca há cerca de 20 pedidos na câmara para instalação de superfícies comerciais de média e grande dimensão.“Vamos vê-las todas de uma forma ponderada e sem fazer cedências nem a um lado nem a outro”, afirmou Moita Flores, lembrando que o pequeno comércio também tem de tornar-se “competitivo e agressivo”.

Mais Notícias

    A carregar...

    Edição Semanal

    Edição nº 1373
    17-10-2018
    Capa Vale Tejo
    Edição nº 1373
    17-10-2018
    Capa Médio Tejo