Economia | 29-07-2015 18:07

Sede do novo Centro de Competências do Tomate já está no Cartaxo

Reconquistar a segunda posição na produtividade agrícola do tomate a nível mundial, com uma diferença inferior a dez por cento em relação à Califórnia (Estados Unidos da América) é um dos objectivos do novo Centro de Competências para o Tomate Indústria (CCTI). Quem o garante é a ministra da Agricultura, Assunção Cristas, que marcou presença na assinatura do contrato de comodato com a Câmara Municipal do Cartaxo, na tarde de segunda-feira, 27 de Julho. A sede no novo CCTI vai ser na Quinta das Pratas, no Cartaxo. O equipamento visa aumentar a produtividade do sector e promover a investigação desta área agrícola.A criação do CCTI resulta da assinatura, em Abril de 2014, de um protocolo entre a Associação dos Industriais de Tomate (AIT), o Ministério da Agricultura e a Confederação dos Agricultores de Portugal (CAP), tendo inicialmente sido anunciada a sua instalação em Santarém. Assunção Cristas referiu que o objectivo desta estrutura é tornar o sector mais competitivo, com melhores níveis de produção e de custos agrícolas, sendo a meta aumentar a produtividade agrícola em dez por cento, reduzir custos também em dez por cento e aumentar a duração da campanha de cultivo igualmente em dez por cento. A aposta na investigação visa, além do aumento da produção, a melhoria do valor nutricional do fruto e dos produtos transformados.Os Centros de Competência, lançados pelo Ministério da Agricultura e do Mar, juntam na mesma entidade empresas, organismos de investigação, universidades e institutos politécnicos, laboratórios, estações experimentais, associações de produtores e entidades locais, procurando criar massa crítica para o desenvolvimento de projectos que visem a criação de valor dentro da fileira e permitam dinamizar a investigação agrícola, agro-alimentar, florestal e do mar. “A indústria portuguesa de tomate conta com uma produção de 1.400 mil toneladas mas a meta é chegar aos dois milhões de toneladas”, destacou a ministra. A produção nacional é quase exclusivamente para exportação, com 95 por cento das vendas a terem como destino o Japão, Reino Unido, Médio Oriente, Rússia e França, sendo Portugal o quarto maior exportador mundial, a seguir à China, Estados Unidos e Itália.Pedro Ribeiro elogia “enorme contributo” de Vasco Cunha As primeiras palavras do presidente da Câmara do Cartaxo, Pedro Magalhães Ribeiro (PS), durante a cerimónia de assinatura do contrato de comodato foram para o deputado e vereador na autarquia cartaxense Vasco Cunha, para quem pediu uma salva de palmas pelo “enorme” contributo dado em todo este processo. “Foi o empenho do senhor deputado Vasco Cunha que permitiu que a sede deste Centro de Competências pudesse ser instalado no Cartaxo”, disse.Pedro Ribeiro referiu que o concelho do Cartaxo pretende afirmar-se através do desenvolvimento do sector agrícola. “Um território rural não tem que ser um território subdesenvolvido e queremos mostrar que somos um concelho onde se pode apostar. O Cartaxo tem a grande vantagem de estar a pouco mais de 50 minutos da área metropolitana de Lisboa e pertencer ao Alentejo para aceder aos fundos comunitários”, disse.O presidente destacou a importância deste centro de competências ser instalado no Cartaxo referindo a “necessidade” do Cartaxo constar no mapa nacional dos centros de competências. “É uma forma de sermos mais competitivos num mercado muito concorrencial”, concluiu.

Mais Notícias

    A carregar...

    Edição Semanal

    Edição nº 1363
    08-08-2018
    Capa Médio Tejo
    Edição nº 1363
    08-08-2018
    Capa Vale Tejo