Empresa da Semana | 17-05-2006 12:42

A importância de tratar dos dentes

Fernando Soares é especializado em medicina dentária mas na sua adolescência queria ser padre. Chegou a frequentar o seminário durante dois anos mas questionava demasiado os dogmas da igreja católica e foi aconselhado a seguir outra profissão. Conselho aceite entrou para medicina e na altura do estágio optou por estomatologia. Há 47 anos, quando abriu consultório em Vila Franca de Xira era o único dentista. Hoje enfrenta a concorrência de cerca de quatro dezenas de colegas. Nada que o preocupe pois o seu trabalho é conhecido e reconhecido. Para além da medicina dentária é um apaixonado pelas medicinas orientais.

Quando era mais novo queria ser dentista? Não, nada disso. Quando estudava no liceu queria seguir teologia e ainda hoje tenho pena de não ter terminado esse curso. Fascinava-me a ideia de vir a ser padre. Ainda frequentei o seminário dois anos mas quando quis saber o porquê de certos enigmas e mistérios da religião o director percebeu que aquela não era a minha vocação e convidou-me a ficar por ali. Concordei com ele. A partir daí fui conhecendo outras coisas e apaixonei-me pela medicina.E quando é que decidiu optar pela medicina dentária? Primeiro fazíamos medicina, só depois é que fazíamos o chamado estágio hospitalar. Foi nessa altura que me decidi pela área da estomatologia. Sempre foi a parte da medicina que me fascinou mais. Os portugueses têm cuidado com a higiene oral? Têm muito mais cuidado agora do que quando comecei a trabalhar. As pessoas hoje gostam de andar mais cuidadas e isso pressupõe ter um sorriso bonito. Hoje, as pessoas preocupam-se mais com a saúde e com a sua imagem. É preciso uma boa apresentação para tudo na vida e isso faz com que queiram ter, também, uma boca tratada.As pessoas ainda têm medo de ir ao dentista?Penso que agora já não têm tanto medo. Antigamente sim, tinham pavor de se sentar na cadeira do dentista. Hoje em dia, com toda a informação existente acho que não existe tanto medo. Noto até que as crianças vêm mais estimuladas. Aprendem que é importante tratar dos dentes. Na clínica dentária, tem clientes de todas as idades?Sim. Tenho clientes desde os dois anos até aos 90. Uma criança com dois anos pode não precisar de vir ao dentista fazer tratamentos mas para não ter problemas que se arrastem vida fora devem fazer consultas de prevenção. Não devemos ir ao médico apenas quando estamos doentes. Temos que prevenir as doenças e infecções e é essa política que defendemos aqui na clínica.Os dentes dos portugueses estão em boas mãos? A situação poderia ser bem melhor. Há muitos dentistas que vieram para esta profissão com o único objectivo de ganhar dinheiro. Só estão interessados nisso e muitos não se preocupam em fazer um bom trabalho, em evoluir tecnologicamente. As pessoas pagam para lhes tratarem da boca e saem dos consultórios, por vezes, pior do que quando lá entraram. Tem muita concorrência? Há cerca de 30 anos cheguei a ser o único dentista em Vila Franca de Xira. Hoje existem 38 dentistas na cidade e, vão abrir mais consultórios dentários.E como lida com isso? Com um óptimo atendimento e qualidade de serviço. As pessoas conhecem-me há 47 anos. Não comecei a trabalhar ontem. Montar um consultório é fácil, basta ter dinheiro e um certo jeito. O difícil é conseguir mantê-lo. Sem um bom serviço e qualidade no atendimento ao paciente nenhum dentista consegue sobreviver. Eu, felizmente, tenho muitos e bons clientes que sabem que tipo de profissional sou, não parei, procurei evoluir procurando novas técnicas.Hoje em dia, dentro da medicina dentária, o que é que mais gosta de fazer?Faço cirurgia de implantes e pequenas cirurgias da boca. É disto que eu realmente gosto. É a área que cobre o meu interesse nos últimos anos. Gosto, sobretudo, de ver uma boca bem tratada com um sorriso saudável.Já me disse que antes de enveredar pela medicina quis ser padre. Hoje, para além da medicina dentária tem outros interesses profissionais? Tenho experiência de trabalho em outras áreas, que não a estomatologia. Tenho uma paixão grande pelas medicinas orientais que complementam as medicinas ocidentais. Não me formei nestas medicinas, mas estudei muito sobre elas. Estive na China, Brasil e Cuba onde aprendi muita coisa sobre o assunto. Há cerca de 20 anos que estudo e trabalho com medicina oriental. Acupunctura e Shiatsu são algumas das técnicas orientais que pratico. Trabalha com medicinas orientais? Há cerca de dois abri em Vila Franca, uma clínica de medicinas orientais. Tenho a trabalhar terapeutas especializados nas diversas áreas. São naturais da China, e formados em medicina tradicional chinesa, e outros em escolas ocidentais e com formação em medicina alopática. Estas chamadas “medicinas alternativas” têm tido adesão por parte das pessoas?As pessoas aderem mas ainda têm um pouco de receio. São técnicas de que ouvem falar mas que nunca experimentaram. Normalmente quando recorrem a este tipo de medicina é por curiosidade ou quando não obtêm resultados com a medicina convencional. Mas é raro saírem daqui insatisfeitas. Na maioria dos casos gostam e continuam com os tratamentos. Como consegue arranjar tempo para a família?Agora já tenho mais tempo livre mas no início da minha actividade profissional tinha pouco tempo para estar com a família. Houve alturas em que fui acusado de colocar a profissão à frente da família. Hoje custa-me reconhecer que dediquei muito do meu tempo a esta profissão e que não dediquei tanto tempo como queria aos que me são mais próximos. Contactos R. Dr. Miguel Bombarda, 273 r/c dto2600-197 Vila Franca de Xira263 275 672fax: 263 283 432

Mais Notícias

    A carregar...

    Edição Semanal

    Edição nº 1376
    07-11-2018
    Capa Médio Tejo
    Edição nº 1376
    07-11-2018
    Capa Vale Tejo