Empresa da Semana | 07-07-2011 12:25

Clínica A.S. em Santarém mudou de instalações para melhorar antendimento

Depois de 12 anos a funcionar na zona do Campo dos Leões, a Clínica A.S. mudou-se há cerca de um mês para a urbanização Quinta de São Roque, junto ao antigo campo da feira, em Santarém. Melhores acessos ao edifício da clínica que agora funciona num piso térreo e mais lugares de estacionamento foram alguns dos motivos para a mudança.O espaço moderno dispõe de uma ampla e confortável sala de estar e vários gabinetes onde se realizam as consultas médicas. A médica obstetra, Fátima Antunes, é a directora clínica e faz um balanço “muito” positivo dos 12 anos de actividade. “As pessoas gostam do nosso trabalho e a prova disso é que continuam a procurar os nossos serviços”, explica a O MIRANTE.Obstetrícia, ginecologia, psiquiatria, sexologia, psicologia, ortodontia, odontopediatria, implantologia e medicina interna são algumas das especialidades ao serviço na clínica. Apesar de haver uma grande procura em todas as especialidades a directora clínica afirma que a área de saúde oral é provavelmente a mais procurada.Especialista em ginecologia e obstetrícia, Fátima Antunes nem sempre quis ser médica. Em criança sonhava seguir a área da Matemática mas quando concluiu o secundário optou pela medicina e não se arrepende da decisão. A médica esclarece que na sua especialidade é muito fácil criar laços de amizade entre doente e paciente. “Acompanho algumas pacientes há mais de 20 anos. Já tenho gerações de famílias como minhas pacientes. Acompanho a avó, a mãe e a filha”, salienta.A directora clínica da A.S. alerta as pessoas para que procurem o médico com regularidade de modo a evitar e prevenir doenças. “Se não procurarmos o médico com regularidade é mais difícil combater as doenças atempadamente”, diz. Fátima Antunes explica que as mulheres devem ir às consultas de ginecologia pelo menos uma vez por ano. O cancro da mama é a doença mais frequente nas mulheres mas o cancro do colo do útero é também muito “perigoso” e atinge muitas mulheres em Portugal. “Todos os dias morrem mulheres com cancro do colo do útero. Além disso, temos o dobro da mortalidade do que em Espanha”, alerta.Actualmente todas as jovens de 13 anos estão a ser vacinadas, gratuitamente, contra o cancro do colo do útero e, recentemente, a vacina passou a ser comparticipada. Três doses da vacina que devem ser tomadas com um intervalo de dois meses entre a primeira e a segunda e o intervalo de seis meses entre a segunda e a terceira vacina.

Mais Notícias

    A carregar...

    Edição Semanal

    Edição nº 1373
    17-10-2018
    Capa Vale Tejo
    Edição nº 1373
    17-10-2018
    Capa Médio Tejo