Entrevista | 17-02-2017 14:19

"População vai pronunciar-se pela primeira vez sobre obras na cidade de Torres Novas"

"População vai pronunciar-se pela primeira vez sobre obras na cidade de Torres Novas"
ENTREVISTA

Presidente do município, Pedro Ferreira, garante que também vai continuar o investimento nas freguesias.

A Câmara de Torres Novas apresentou publicamente seis estudos prévios relativos a projectos no âmbito do Plano Estratégico de Desenvolvimento Urbano (PEDU). O montante das obras a fazer no centro histórico da cidade até 2020 é superior a sete milhões de euros, com os Fundos Comunitários a suportarem 85 por cento. As intervenções incidem nas zonas do Almonda Parque, Terreiro de Santa Maria e Largo do Salvador, Prédio Alvarenga, antiga Central Eléctrica do Caldeirão, zona do Nogueiral e acessos ao Castelo. Pela primeira vez os habitantes puderam dar sugestões e vão poder continuar a fazê-lo até 23 de Fevereiro.

Os estudos prévios das obras anunciadas em Janeiro, que vão ter comparticipação comunitária, foram colocados em discussão pública. Era obrigatório fazê-lo?

Não era obrigatório mas decidimos fazê-lo. É importante dizer que esta é a primeira vez que a Câmara de Torres Novas dá essa possibilidade à população. Normalmente as pessoas são confrontadas com obras decididas em reunião de câmara ou em planos e orçamentos municipais.

O que os cidadãos tiveram ocasião de avaliar não foram projectos definitivos.

Não. Isso não fazia sentido. O que apresentámos foram estudos prévios. Ideias iniciais dos arquitectos e empresas de arquitectos que ganharam os concursos para fazer os projectos.

Há quem critique o facto de a câmara não recorrer aos seus técnicos para fazer estes trabalhos.

Temos arquitectos mas isto são projectos de uma dimensão tal que eles ficavam sem possibilidade de fazer o seu trabalho normal. Os serviços da câmara ficavam paralisados.

Estes projectos, relativos às obras que serão postas a concurso, vão ser pagos na totalidade pela câmara?

Não. Os projectos, tal como as obras, são financiados. Os fundos comunitários suportam 85% e a câmara 15%.

Quem vai avaliar as sugestões enviadas pelos cidadãos?

Um Conselho Local de Desenvolvimento Urbano que decidimos criar, composto por várias entidades e personalidades de referência, como o arquitecto Vassalo Rosa, por exemplo, que conhece bem a cidade. Há também organizações como a ACIS, ou a Associação do Património, etc...

Chegaram muitas sugestões?

Chegaram contributos praticamente todos os dias. Fiquei muito satisfeito. É sinal que as pessoas se interessam pela cidade.

* Entrevista completa na edição semanal de O MIRANTE.

Mais Notícias

    A carregar...

    Edição Semanal

    Edição nº 1325
    15-11-2017
    Capa Médio Tejo
    Edição nº 1325
    15-11-2017
    Capa Vale Tejo