Opinião | 14-03-2019 10:00

Última Página: Carta para Francisco Pinto Balsemão e Paulo Fernandes*

O associativismo na comunicação social está pela hora da morte. Um recado para dois dos patrões mais influentes da imprensa portuguesa.

O MIRANTE faz parte da Associação Portuguesa de Imprensa (API) que defende os interesses das empresas de comunicação social em Portugal. No princípio como simples associado e, mais tarde, como membro da sua direcção. Infelizmente não temos suficiente voto na matéria para denunciarmos no seio da associação, e em nome dela, a falta de políticas dos sucessivos governos no apoio ao serviço público que a maioria dos jornais praticam.
Trago o assunto a público porque acho que vale pena reflectir sobre o papel da comunicação social que todos os dias condiciona a nossa forma de olhar o mundo.
Os patrões da imprensa em Portugal, na sua grande maioria, somam interesses na vida pública e política, e acima de tudo na vida empresarial, que nada têm a ver com a comunicação social. E longe vai o tempo em que alguns dos melhores deles se uniam nas diferenças para lutarem pelos mesmos interesses. Quando era assim, os mais pequenos, como sempre foi o caso da imprensa regional, só tinham a ganhar.
A verdade é que as televisões, e a febre pelo controlo do espaço televisivo, acabou com o associativismo entre patrões. Ninguém quer pensar nos negócios de tostões quando os das televisões são de milhões.
Os jornais estão reduzidos a tiragens miseráveis com a excepção do “Expresso”, do “Correio da Manhã” e do “Jornal de Notícias”, embora as quedas nas tiragens sejam de meter medo ao susto.
Cerca de 70% das notícias dos jornais digitais são acessadas através de telemóveis. Esta forma de ler notícias não tem futuro. Não são os leitores de notícias nos telemóveis que justificam uma redacção de 20, 50 ou 100 jornalistas. Nem pode ser essa a política dos empresários dos Media por muito que alguns jornais trabalhem apenas para elegerem o próximo Presidente da República. O jornalismo precisa do papel como os textos precisam das ilustrações. O jornalismo precisa de jornalistas motivados para contarem histórias de página inteira como o mundo precisa de memória muito para além daquela que se apaga cada vez que se desliga um aparelho digital.
OS CTT acabaram recentemente com o Correio Azul na distribuição dos jornais (à taxa normal). O serviço era uma conquista de uma anterior negociação com os Correios. A associação que representa os patrões dos jornais está demasiado ocupada com problemas de sobrevivência que põem tudo em causa. A ideia que fica é que já ninguém acredita no associativismo para defender os mesmos interesses. Mesmo que, com esta forma de trabalhar, ponham em perigo o espaço mediático português e a qualidade da democracia. JAE


* São os dois nomes maiores da imprensa em Portugal e responsáveis pelo melhor e pelo pior que se passa no associativismo na comunicação social.

Mais Notícias

    A carregar...

    Edição Semanal

    Edição nº 1395
    20-03-2019
    Capa Médio Tejo
    Edição nº 1395
    20-03-2019
    Capa Vale Tejo