Política | 15-07-2008 13:06

JS de Tomar exige política de “orçamento participativo”

O Secretariado da Juventude Socialista de Tomar (JS Tomar) quer que o actual executivo camarário adopte “a política de orçamento participativo” na gestão autárquica. A justificação prende-se com a falta de participação dos cidadãos do concelho de Tomar em assuntos de relevo relacionados com a gestão da autarquia e à necessidade de centrar parte do orçamento do município para as necessidades mais próximas dos cidadãos. A JS Tomar considera que esse orçamento participativo deve ter dotações percentuais obrigatórias e sugere como entidades e grupos a ouvir as associações do concelho de carácter cultural, desportivo e recreativo, as associações jovens do concelho, a população das 16 freguesias reunida em plenários por Freguesia, o Conselho Municipal de Juventude e as entidades e institutos privados e públicos de relevância no concelho. “Defendemos que esta medida já deve estar presente no Orçamento de 2009 a ser discutido dentro de poucos meses”, dizem em comunicado, acrescentando que “a JS Tomar não esquece” que durante um ano o executivo escolheu ouvir toda a população das 16 freguesias, “medida que rapidamente abandonou mostrando a sua reduzida visão e dimensão de democracia participativa”.

Mais Notícias

    A carregar...

    Edição Semanal

    Edição nº 1363
    08-08-2018
    Capa Vale Tejo
    Edição nº 1363
    08-08-2018
    Capa Médio Tejo