Política | 20-07-2008 09:47

CDU denuncia erro de avaliação de terreno da expansão da zona industrial de Coruche

A CDU de Coruche considera que a autarquia vai pagar mais 126 mil euros do que deveria pela expropriação de uma parcela com 48 hectares, com o objectivo de fazer a expansão da Zona Industrial do Monte da Barca.Em comunicado de dia 15 a coligação diz ter havido uma avaliação incorrecta do terreno pelo perito avaliador do Tribunal da Relação, na qual a câmara de Coruche se baseou para definir o valor da expropriação em 624 mil euros da parcela pertencente aos Salesianos. Alega a CDU que o perito estimou que nos 20 hectares de sequeiro uma seara de aveia daria uma produção de 20 toneladas de por hectare. “Nem no Vale do Sorraia, nem em qualquer parte do mundo, uma seara de aveia produziu ou produz 20.000 kg/ha. E todos sabem que no máximo a produção rondará os 2.000 Kg/ha”, pode ler-se. Para ironizar e apelidar o negócio de “aveia milagrosa”. O grupo municipal da CDU lembra que após seis anos de promessas adiadas o presidente da câmara apresentou uma proposta concreta para expansão da zona industrial, razão que atribui ao facto de 2009 ser ano de eleições autárquicas e ser necessário apresentar obra, mesmo que se assumam “encargos desproporcionados”. A coligação justifica assim o seu voto contra o negócio, discutido e aprovado por PS e PSD na assembleia municipal de 27 de Junho. Dia 16 na reunião do executivo, o líder da autarquia, Dionísio Mendes (PS) veio garantir que não será necessária qualquer rectificação à avaliação feita pelo perito, apesar do aviso do vereador da CDU, Isidro Catarino, que defendeu que se devia fazer uma nova deliberação sobre aquela matéria.

Mais Notícias

    A carregar...

    Edição Semanal

    Edição nº 1372
    10-10-2018
    Capa Vale Tejo
    Edição nº 1372
    10-10-2018
    Capa Médio Tejo