Política | 25-05-2009 07:15

CDU de Torres Novas denuncia que há14 mil munícipes sem saneamento básico

A falta de saneamento básico em algumas freguesias é uma das principais preocupações da CDU de Torres Novas evidenciadas na tarde da passada sexta-feira, 22 de Maio, durante a apresentação das conclusões das jornadas autárquicas, iniciativa que decorreu na localidade de Lapas. “Estamos a falar de cerca de 14 mil pessoas que ainda não têm saneamento básico. Um atropelo à saúde pública”, considerou Carlos Tomé, actual vereador da CDU na autarquia torrejana. As jornadas autárquiacas da CDU de Torres Novas decorreram durante cerca de dois meses, entre 14 de Março a 18 de Maio. Tal como fizeram há seis, quatro e dois anos, os militantes da concelhia comunista voltaram a visitar as 17 freguesias do concelho, num total de 40 localidades. “A Câmara Municipal de Torres Novas manteve-se insensível à evidente necessidade de resolução dos problemas que têm efeito directo na qualidade de vida das pessoas”, considera Carlos Tomé. No documento apresentado, a Comissão Coordenadora da CDU sintetiza cinco áreas vitais que necessitam de uma reviravolta política. Para além de considerarem que existe um “défice ambiental”, verificado na falta de saneamento básico e na poluição encontrada em diversos troços da rede de águas, apontam ainda a existência de “problemas de cariz sócio-económico”, traduzidos no abandono da agricultura e, em contrapartida, na existência de “um excessivo peso económico do sector terciário no concelho com especial destaque para as grandes superfícies comerciais”. Enumeram ainda a existência de uma carência “ao nível cultural e desportivo”, verificado no “abandono do investimento da câmara municipal na cultura nas freguesias rurais”, agravado com atrasos no pagamento dos subsídios às colectividades e falta de apoio na realização de actividades. “Há necessidade de inventariação dos equipamentos e intervenção do município no aproveitamento dos mesmos e de descentralização das actividades do Teatro Virgínia”, ressalvam.A CDU de Torres Novas dectectou a existência de um “défice patrimonial” uma vez que consideram que a maioria dos edifícios escolares estão vagos, desaproveitados e sem projectos de futuro. “Há cemitérios mal cuidados, jardins abandonados, parques infantis desprezados, património diverso em degradação e o centro histórico de Torres Novas está abandonado e em degradação cada vez mais acelerada”. apontam. Finalmente, alertam para a fraca participação cívica baseada no facto da Câmara de Torres Novas tomar a maioria ou totalidade das decisões sem contactar com a população ou promover fóruns de discussão. “A Câmara não incentiva nem sequer permite a participação da população da discussão dos assuntos que lhe dizem mais directamente respeito”, criticam. Mais desenvolvimentos na edição semanal

Mais Notícias

    A carregar...

    Edição Semanal

    Edição nº 1381
    13-12-2018
    Capa Médio Tejo
    Edição nº 1381
    13-12-2018
    Capa Vale Tejo