Política | 27-05-2009 07:43

Câmara de Tomar investiga contas da Festa dos Tabuleiros de 2003

As contas da Festa dos Tabuleiros de 2003 que ainda não têm um desfecho conhecido estão, neste momento, a ser alvo de uma auditoria, desencadeada pela autarquia tomarense. Neste momento, alguns fornecedores ainda estão à espera de receber dinheiro relativo à prestação de bens e serviços. Uma dívida que já tem seis anos e que já desencadeou um processo judicial por parte de uma das empresas credoras. Nas três últimas reuniões de câmara, os vereadores do grupo “Independentes por Tomar” apresentaram um documento onde exigiam saber em que ponto se encontra esta situação, dado que são abordados por alguns credores. Na última reunião, realizada esta terça-feira, 26 de Maio, o presidente da Câmara de Tomar, Corvêlo de Sousa (PSD), deu uma resposta breve mas concisa: “Neste momento, decorre uma auditoria aos documentos contabilísticos e, após a conclusão da mesma, será dado conhecimento dos seus resultados”. Segundo O MIRANTE apurou, a análise das contas é um processo algo complexo uma vez que há falta de alguns documentos de fornecedores (facturas) que ajudariam à conclusão mais expedita deste processo. O autarca não adianta quando ficará concluída a auditoria. Segundo declarações públicas dos “Independentes por Tomar”, o Tribunal Judicial de Tomar notificou o Mordomo da Festa dos Tabuleiros de 2003, António Madureira, para que indicasse a relação dos membros da Comissão Executiva, a fim de, presumivelmente, os chamar a juízo o que, para Pedro Marques e Rosa Dias, “demonstra as lamentáveis consequências” a que está a ocasionar o arrastamento do processo. “Fomos abordados por algumas pessoas e, em particular por aqueles que desinteressadamente têm activamente participado na realização da Festa, que nos manifestaram a sua insatisfação e a preocupação pelo incómodo de não estarem ainda encerradas as Contas da Festa dos Tabuleiros de 2003”, disseram em declaração para acta.Os vereadores independentes recordaram que na reunião do executivo camarário, realizada a 17 de Março, foi aprovada por unanimidade uma proposta onde o executivo deliberou “a necessidade do encerramento urgente das contas da Festa dos Tabuleiros de 2003” com vista à resolução deste problema “que não contribui para a credibilidade da autarquia como entidade que tem dado apoio institucional e financeiro à festa”. A realização de uma auditoria externa também já tinha sido proposta pelo PS no sentido de pôr “a claro e definitivamente” todos os gastos, realizados pela Comissão da Festa dos tabuleiros de 2003, “não só para encontrar eventuais culpados, mas também para limpar o bom-nome dos que não o são”. Estima-se que a Festa dos Tabuleiros de Tomar que decorreu em 2003 tenha registado um prejuízo de cerca de 200 mil euros. Já a festa de 2007 obteve um lucro de 35 mil euros.

Mais Notícias

    A carregar...

    Edição Semanal

    Edição nº 1373
    17-10-2018
    Capa Vale Tejo
    Edição nº 1373
    17-10-2018
    Capa Médio Tejo