Política | 28-05-2009 16:14

Confusão nas contas da Câmara do Cartaxo sobre prazo médio de pagamentos a fornecedores

O presidente da Câmara do Cartaxo, Paulo Caldas (PS), reiterou na reunião do executivo desta quarta-feira que o prazo médio de pagamento a fornecedores foi de 47 dias no último trimestre de 2008 e no primeiro trimestre de 2009 mas acabou por aceitar as contas feitas pelo vereador social-democrata Manuel Jarego que o prazo médio dos primeiros três meses do ano já vai em cerca de 120 dias. Quase três vezes mais do que o que o edil do Cartaxo tinha falado anteriormente. A questão foi espoletada por Mário Júlio Reis (CDU) que quis saber afinal como se chegou ao número de 47 dias de prazo médio, “novidade” que a câmara já tinha divulgado no seu site. Por outro lado, a Inspecção Geral da Administração Local calculou em 435 dias o prazo médio de pagamento a fornecedores da Câmara do Cartaxo, no último trimestre de 2008, posicionando-a em 11.º lugar entre os piores pagadores de 308 municípios. Pedro Reis (PSD) foi mais longe e quis saber onde pára o cálculo que justifica os 47 dias, acusando Paulo Caldas de estar a “dar música à oposição e aos munícipes” e acusando-o de “falta de honestidade política” por falar sem ter fundamentos. “Foi a IGAL, uma entidade pública supostamente isenta, que publicou os dados oficiais. O que custa é ver esta demagogia e marketing político sobre os 47 dias quando temos trazido aqui casos de pessoas que têm verbas para receber há um e dois anos”, atacou o vereador do PSD.Paulo Caldas justificou a redução drástica do prazo médio de pagamentos com a liquidação de dívida realizada com o empréstimo de 13 milhões de euros que permitiu fazer a consolidação financeira da dívida. “Assim, os 435 dias foram dissipados”, acrescentou. Mas não conseguiu explicar como em finais de 2008 diz que o prazo médio é de 47 dias e no primeiro trimestre de 2009 admite que seja já de 120 dias.

Mais Notícias

    A carregar...

    Edição Semanal

    Edição nº 1372
    10-10-2018
    Capa Vale Tejo
    Edição nº 1372
    10-10-2018
    Capa Médio Tejo