Política | 27-09-2010 10:33

Ramiro Matos diz que Nuno Serra venceu o poder instalado no PSD de Santarém

Ramiro Matos diz que Nuno Serra venceu o poder instalado no PSD de Santarém
O ex-vice-presidente da Câmara de Santarém e da concelhia do PSD de Santarém, Ramiro Matos considera que a vitória de Nuno Serra nas eleições para o PSD de Santarém foi uma lição para os que “muito fizeram para espezinhar” o partido. No seu blogue, o advogado de profissão, escreve que a eleição de Nuno Serra foi também uma lição para quem pensava que o PSD “era um apêndice da câmara municipal e do seu presidente” Moita Flores. Ramiro Matos que apoiava Nuno Serra não se coibiu de criticar a lista perdedora encabeçada por Luís Arrais, que é próximo de Moita Flores. “Deste lado o PSD que alcançou as maiores vitórias para o PSD das últimas dezenas de anos, contra o PSD "do momento" duma lista em que muitos dos constituintes e apoiantes são actuais empregados da câmara, empresas municipais ou que têm interesses económicos com aquelas”. E acrescenta que à partida para muitos a luta seria desigual, porque “o poder tem para oferecer, em tentativas veladas de pressão, oferta e deslumbramento” e Nuno Serra “não tinha nada para oferecer senão o seu trabalho, o seu passado, a sua idoneidade e a sua independência”.O ex-autarca faz ainda referências aos actuais vereadores da autarquia para dizer que sempre que estes estiveram “do lado contrário” perderam as eleições do partido. É o caso de “João Leite, Luísa Féria e António Valente que expressaram o seu apoio a Luís Arrais no lançamento da candidatura”. E acrescenta que “os eternos Vítor Varejão, Nuno Cardigos, João Lucas e Paulo Pita Soares” viram também a história confirmar-se. Faz ainda referência a Susana Pita Soares que diz que ganhou alguma notoriedade quando ocupou o cargo de Directora do Centro de Emprego num governo do PSD, dizendo que esta “quis avançar para a corrida da concelhia e faltaram-lhe os apoios”. “Disse que se afastava, mas não resistiu, à última hora, em estar ao lado de Luís Arrais, como Presidente da Comissão de Honra. Comprometeu o seu futuro político pela inconstância e apostas erradas”, escreve Ramiro Matos.Além de Luís Arrais, o ex-vice-presidente da câmara, responsável por trazer Moita Flores para Santarém e com quem mais tarde se incompatibilizou abandonando o executivo camarário, salienta que outro grande perdedor nas eleições para a concelhia do PSD foi António Campos. Acrescentando que “António Campos é aquele que terá de tirar maiores ilações desta derrota. Apesar de ser tesoureiro da distrital, não se coibiu de participar e dar a cara neste combate concelhio. A preparação de uma eventual candidatura à distrital na sucessão de Vasco Cunha que já não se pode recandidatar, pode ter precipitado as decisões”. Ramiro Matos perspectiva que Nuno Serra “irá dar muita visibilidade ao PSD, não numa lógica submissa, mas numa lógica livre, proactiva e defensora dos interesses do nosso concelho, apostando numa política de proximidade”.

Mais Notícias

    A carregar...

    Edição Semanal

    Edição nº 1351
    16-05-2018
    Capa Vale Tejo
    Edição nº 1351
    16-05-2018
    Capa Médio Tejo