Política | 07-12-2010 12:15

PSD de Ourém refuta divergências internas

A comissão política do PSD de Ourém emitiu um comunicado onde refuta as informações fornecidas a O MIRANTE por fonte digna de crédito, classificando as referências a divergências internas como despropositadas e caluniosas. O MIRANTE tentou contactar o presidente da concelhia, Natálio Reis, mas as chamadas para o telemóvel seguiram directamente para a caixa de mensagens.O MIRANTE online noticiou esta segunda-feira, 6 de Dezembro, que o actual presidente da Concelhia do PSD de Ourém, Natálio Reis, tem o partido ao colo totalmente dependente da sua paciência para continuar a suportar as divisões internas. A derrota nas autárquicas desorganizou as hostes e quem fala mais alto no partido é quem nesta altura tem mais importância. Nos últimos dias João Moura voltou a aquecer a vida interna do PSD de Ourém ao afirmar numa reunião da concelhia que ia ser candidato a deputado nas próximas eleições legislativas fosse contra quem fosse. A sua posição, numa altura em que as eleições legislativas podem estar a três anos de distância, foi vista como uma forma de marcar terreno e de afirmar a sua liderança pessoal.O MIRANTE sabe que Natálio Reis está na iminência de bater com a porta e causar rupturas no partido de forma a reunir as hostes, mais uma vez, depois da derrota autárquica. O facto de os actuais vereadores na câmara não terem voz na concelhia, e de João Moura, na qualidade de líder da bancada da assembleia municipal, estar a marcar terreno à margem das decisões do órgão dirigido por Natálio Reis, só pode causar rupturas, diz uma fonte do PSD local.João Moura não é só criticado por querer ser candidato a deputado e por estar a impor o seu nome nesta altura, mas acima de tudo por não se disponibilizar para candidaturas autárquicas. “O normal era que ele se disponibilizasse para trabalhar no sentido de levar o PSD a reconquistar a confiança dos eleitores do nosso concelho, e não que se esteja já a pendurar numa candidatura a um lugar de deputado”, desabafou um militante que embora faça parte dos órgãos dirigentes está a afastado destas guerras pelo poder.As divergências no seio do PSD de Ourém são públicas e notórias há muito tempo e ainda recentemente foram assumidas claramente pelo ex-presidente da câmara, ex-deputado e ex-líder do partido a nível local, Mário Albuquerque, em entrevista publicada a 4 de Novembro por O MIRANTE. “O PSD está muito dividido em Ourém. Há clivagens muito fortes, há gente que entende que se deve sobrepor a outros. E isso não é assim. Quem decide são os militantes e há que aceitar a decisão dos militantes. Quando as pessoas não se entendem gera-se confusão. Essas clivagens não são boas e acabam por se reflectir na imagem do partido. Como é que um partido pode ir para a rua apresentar propostas ao eleitorado se ele próprio está dividido por dentro”, disse Mário Albuquerque.

Mais Notícias

    A carregar...

    Edição Semanal

    Edição nº 1380
    05-12-2018
    Capa Vale Tejo
    Edição nº 1380
    05-12-2018
    Capa Médio Tejo