Política | 04-08-2017 18:04

Autarcas cortam com o PS e Paulo Fonseca não gostou

Autarcas cortam com o PS e Paulo Fonseca não gostou

Alcatroamentos em locais absurdos são exemplos apontados de dinheiro mal gasto.

O executivo da Junta de Freguesia de Freixianda, Ribeira do Fárrio e Formigais acusa o presidente da Câmara de Ourém, Paulo Fonseca (PS), de estar a mandar fazer alcatroamentos “absurdos” no seu território como retaliação por não se recandidatarem pelo PS, tendo optado por concorrer nas listas da coligação PSD/CDS nas eleições autárquicas de 1 de Outubro.


O presidente da União de Freguesias de Freixianda, Ribeira do Fárrio e Formigais, Rui Vital, e o tesoureiro, Paulo Nunes, disseram a O MIRANTE que ficaram surpreendidos quando foram informados por um munícipe, Miguel Marques, de que as máquinas da Câmara de Ourém estavam a alcatroar uma via secundária que não serve ninguém, apenas dá acesso a um pinhal. Um procedimento que poderia ser normal, caso o executivo da junta fosse informado e as estradas que servem habitações tivessem a mesma intervenção, como são os casos da rua da Chainça, rua do Gabino, rua das Lagoas, rua do Outeiro, rua das Alminhas e outras, que são em terra batida e onde os moradores há muito reclamam alcatrão.


O presidente da União de Freguesias de Freixianda, Ribeira do Fárrio e Formigais, Rui Vital, sublinhou a O MIRANTE que esta situação começou quando comunicou a Paulo Fonseca que não se recandidataria pelo PS, por não estar satisfeito com a actuação do presidente da Câmara de Ourém nos últimos 4 anos. Rui Vital acusa Paulo Fonseca de não ter cumprido as promessas feitas e de ter parado os investimentos na sua União de Freguesias por considerar que Rui Vital garantiria a vitória ao PS mesmo assim.

Leia notícia completa na edição semanal de O MIRANTE AQUI

Mais Notícias

    A carregar...

    Edição Semanal

    Edição nº 1376
    07-11-2018
    Capa Médio Tejo
    Edição nº 1376
    07-11-2018
    Capa Vale Tejo