Política | 19-12-2017 09:15

Oposição chumba orçamento da empresa Viver Santarém

Oposição chumba orçamento da empresa Viver Santarém

Socialistas aproveitaram novamente a maioria circunstancial no executivo para complicar a vida ao PSD.

Os vereadores do PS na Câmara de Santarém voltaram a aproveitar a maioria circunstancial no executivo para chumbarem a proposta de orçamento da empresa municipal Viver Santarém para 2018. Na anterior reunião tinham chumbado os nomes para o conselho de administração da empresa.

O facto de o presidente da câmara Ricardo Gonçalves (PSD) e de a vereadora Inês Barroso (PSD) não poderem participar na votação, por integrarem o conselho de administração da Viver Santarém que transitou do anterior mandato, permitiu ao PS voltar a ter maioria no executivo (4 contra 3 vereadores) durante a discussão desse ponto. E os socialistas não desaproveitaram a oportunidade para complicar a vida ao PSD.

Rui Barreiro, líder da bancada socialista, avisou logo que a posição política seria idêntica à da reunião anterior e referiu que deve ser o novo conselho de administração da Viver Santarém a apresentar a proposta de orçamento. E disse não entender por que razão a maioria PSD não apresentou já uma nova proposta para a administração da empresa que permita ao PS mudar de posição.

Recorde-se que, no início do mandato, o PS disponibilizou-se para integrar a administração das empresas municipais mas o PSD não aceitou. Essa foi a principal razão invocada pelos socialistas para votarem contra a proposta social-democrata que indicava o presidente da câmara Ricardo Gonçalves para presidente do conselho de administração da Viver Santarém (cargo que já desempenhou no mandato anterior) e os vereadores Inês Barroso e Jorge Rodrigues para vogais da administração.

Ricardo Gonçalves afirmou que vai apresentar nova proposta para a administração da empresa no início de 2018 e voltou a imputar ao PS eventuais transtornos para o normal funcionamento da empresa.

Na reunião anterior, o presidente da câmara tinha classificado como “politiqueira” a postura do PS e, com os olhos postos em Rui Barreiro, afirmou que, “afinal, palavra dada não é palavra honrada”. Uma alusão ao facto de Barreiro ter dito anteriormente que em matéria de nomeações o PS optaria pela abstenção.

Mais Notícias

    A carregar...

    Edição Semanal

    Edição nº 1346
    11-04-2018
    Capa Vale Tejo
    Edição nº 1346
    11-04-2018
    Capa Médio Tejo