Política | 26-12-2017 12:16

Recuperação financeira da Câmara de Santarém permite pensar em obras

Executivo aprovou orçamento de 51 milhões de euros, mais três milhões do que em 2017.

Depois de alguns anos a apertar o cinto, a Câmara de Santarém começa a ter folga financeira para pensar nalguns investimentos de vulto e o reflexo disso é o aumento do orçamento municipal em cerca de três milhões de euros para 2018, cifrando-se nos 50,9 milhões de euros.


Um orçamento que o presidente do município, Ricardo Gonçalves (PSD) classifica como sendo “realista” mas também “de viragem” e que contou com o benefício da dúvida da oposição socialista, que se absteve na votação. O líder da bancada do PS, Rui Barreiro, lamentou no entanto o pouco tempo dado à oposição para analisar o documento.


A estratégia da autarquia passa por aproveitar os fundos comunitários disponíveis pelo quadro comunitário Portugal 2020 (entre 17 a 18 milhões de euros) para realizar obra que há muito vem sendo falada, como a reabilitação do mercado municipal ou a ampliação das escolas de Vale de Santarém e Portela das Padeiras. Quanto à requalificação do centro histórico, 2018 será o ano para fazer os projectos, pelo que a obra só será visível no terreno, em princípio, a partir de 2019.


O autarca destacou ainda a inscrição de “mais apoios para as freguesias e as associações”, com os duodécimos a aumentarem 5% para as juntas de freguesia, que receberão 500 mil euros para a realização de “obra nova”, e a verba para as associações culturais a crescer 40 mil euros, subindo para os 120 mil euros, e para as desportivas a atingir os 300 mil euros.


Ricardo Gonçalves realçou o aumento da verba para a acção social em 20%, estando o município a “desenhar novos projectos” com os parceiros do Conselho Local de Acção Social para substituir as cantinas sociais.
O autarca afirmou ainda ser objectivo conseguir um aproveitamento máximo do programa para estabilização das encostas da cidade, da ordem dos 3,5 milhões de euros, salientando que Santarém irá beneficiar de uma verba suplementar de 650.000 euros, que permitirá intervir numa outra encosta.


Quanto ao desenvolvimento económico, Ricardo Gonçalves afirmou que Santarém terá “dentro de pouco tempo condições para apresentar uma estratégia agressiva em feiras empresariais” e deixou para o início de 2018 a apresentação de “um plano com 10 eixos” para “afirmar Santarém como destino turístico e de lazer”.

Mais Notícias

    A carregar...

    Edição Semanal

    Edição nº 1363
    08-08-2018
    Capa Vale Tejo
    Edição nº 1363
    08-08-2018
    Capa Médio Tejo