Política | 13-05-2018 16:08

Vereador da oposição questiona legalidade do funcionamento da associação Eh Toiro

Rui Rufino (PSD/CDS/MPT) levantou a questão na última reunião do executivo da Câmara da Chamusca.

O vereador da oposição na Câmara da Chamusca, Rui Rufino (PSD/CDS/MPT), criticou, durante a última sessão camarária, o funcionamento da associação Eh Toiro, referindo que esta trabalha de forma irregular. “O que consta é que o presidente da associação convoca assembleias-gerais e os sócios não aparecem. Se não há assembleias-gerais a associação não está a funcionar legalmente e a câmara municipal não pode estar a atribuir subsídios a uma associação que não está a funcionar como deve ser”, criticou o autarca.


O assunto foi abordado durante a aprovação de um protocolo de colaboração, no valor de cerca de seis mil euros, do município com a Eh Toiro, pelo apoio que a associação tem dado à câmara municipal durante a organização da Semana da Ascensão que está a decorrer na Chamusca até ao próximo domingo.


Fontes próximas da associação e da Câmara da Chamusca referem a O MIRANTE que não existe apresentação de contas dentro da associação e que esta funciona para ser apenas um “satélite” da câmara municipal. “Nas actividades que promove utiliza pessoal e meios logísticos do município. A câmara paga todo o tipo de serviços, desde segurança, materiais de divulgação e promoção. A Câmara da Chamusca atribui subsídios para actividades de animação e simultaneamente adquirir mais animação, taurina ou outra, para as actividades promovidas pela Eh Toiro, integradas ou não em programa municipal. O que consta é que a associação Eh Toiro explora equipamentos, pavilhões, terrados que são do município ou alugados pelo município”, referem as pessoas com quem falámos.


Na reunião de câmara em que o assunto foi falado, o vereador Rui Ferreira (PS) elogiou o trabalho desenvolvido pela Eh Toiro e disse estar muito grato pela ajuda que a associação tem dado à câmara municipal. Também o presidente do município, Paulo Queimado (PS), sublinhou que a Eh Toiro é das poucas associações do concelho que tem “espírito colaborativo”. “Não nos compete averiguar se a associação internamente funciona bem ou não. Cumpriram com o plano de actividades e isso para nós é suficiente”, afirmou. O protocolo foi aprovado com a abstenção do vereador Rui Rufino.


Contactado por O MIRANTE, e questionado sobre todas as questões levantadas na reunião de câmara, o presidente da associação Eh Toiro, José Luís Vieira, deu a entender que não tinha conhecimento da discussão e disse não estar disponível para prestar declarações.

Mais Notícias

    A carregar...

    Edição Semanal

    Edição nº 1368
    12-09-2018
    Capa Vale Tejo
    Edição nº 1368
    12-09-2018
    Capa Médio Tejo