Política | 15-07-2018 08:06

Ricardo Gonçalves considera “inaceitável” a situação do Hospital de Santarém

Ricardo Gonçalves considera “inaceitável” a situação do Hospital de Santarém

Em causa a incapacidade do Governo em resolver os problemas financeiros que impedem a conclusão das obras no bloco operatório.

O presidente da Câmara de Santarém, Ricardo Gonçalves (PSD), considera “inaceitável” a situação a que chegou o Hospital Distrital de Santarém (HDS), exortando o Governo a cumprir aquilo que prometeu e a disponibilizar os meios financeiros necessários para uma gestão eficaz dessa unidade de saúde.

“Já não há desculpas nenhumas. O dinheiro nunca chega para aquilo que é necessário”, afirmou o autarca, na sequência de mais um falhanço por parte do Governo para desbloquear obras e contratos para fornecimento de serviços no Hospital de Santarém, mandados suspender pelo Tribunal de Contas devido aos cerca de 50 milhões de euros de passivo.

Recorde-se que o Governo reforçou recentemente o orçamento do Hospital de Santarém em mais 35,5 milhões de euros para tentar desbloquear as obras de climatização do bloco operatório, que está em fase final de construção, mas ainda não foi desta que conseguiu o visto do Tribunal de Contas. Isto porque a injecção de capital não foi suficiente para tapar o buraco financeiro de cerca de 50 milhões de euros e assim garantir a exigência legal de existência de fundos próprios como garantia do pagamento da empreitada. Na mesma situação está o contrato de fornecimento de refeições.

Ricardo Gonçalves diz que “já maça estar sempre a falar disto” e acrescentou que “as últimas notícias sobre o hospital deviam envergonhar o país”: O autarca falava na reunião do executivo de sexta-feira, 13 de Julho, onde desejou “a melhor sorte” ao novo conselho de administração do HDS e que este “tenha a capacidade de fazer cumprir as promessas feitas pelo Governo”.

Também os deputados do PSD eleitos por Santarém, Duarte Marques, Nuno Serra e Teresa Leal Coelho criticaram a solução encontrada pelo Governo para sanar os problemas financeiros do HDS por via da “antecipação de receita”, considerando que “só o aumento de capital permite resolver o problema sem criar um outro problema mais à frente, ou seja, empurrando com a barriga”. Nuno Serra, que é também vereador na câmara, critica “a incapacidade política do ministro da Saúde que atrasa as obras e adia operações e tratamentos hospitalares”.

Mais Notícias

    A carregar...

    Edição Semanal

    Edição nº 1373
    17-10-2018
    Capa Vale Tejo
    Edição nº 1373
    17-10-2018
    Capa Médio Tejo