Saúde | 28-05-2018 10:42

Extensão de Saúde de Vale de Cavalos vai manter-se fechada

Extensão de Saúde de Vale de Cavalos vai manter-se fechada

Esta não é a primeira vez que há problemas nas extensões de saúde do concelho da Chamusca. A unidade do Chouto esteve várias semanas sem funcionar.

A Extensão de Saúde de Vale de Cavalos vai manter-se fechado até que seja agendado a reunião entre a coordenadora do Centro de Saúde da Chamusca, Alzira Pereira, a junta de freguesia, a câmara e o Agrupamento de Centros de Saúde (ACES) da Lezíria. A informação foi confirmada a O MIRANTE pelo presidente da junta de freguesia, José Trindade. Até lá, referiu o autarca, a junta de freguesia vai continuar a transportar os utentes para o Centro de Saúde da Chamusca. Quanto à implementação de medidas para reforçar a segurança das instalações de saúde , o presidente da junta admite que não será nessário já que este foi um caso pontual.

Recorde-se que a extensão de saúde de Vale de Cavalos fechou após a agressão a um médico. O incidente ocorreu no passado dia 16 de Maio. O agressor, de 40 anos, residente na freguesia, não gostou que o médico recusasse renovar a baixa médica à esposa e desferiu murros no clínico. De acrodo com a Administração Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo (ARSLVT), o médico foi sujeito a uma perícia no Gabinete Médico-Legal e estava a ser concluído um relatório para enviar ao Ministério Público, realçando que está a prestar “todo o apoio possível”. Também a Ordem dos Médicos mostrava-se indignada com a agressão ao médico da Extensão de Vale de Cavalos. “Espero que o ministro da Saúde, Adalberto Campos Fernandes, se empenhe neste caso e que o tome como exemplo para o futuro. Sobre a ausência de seguranças em unidades de saúde, o bastonário, Miguel Guimarães, dizia que considera ser obrigatório a sua presença em qualquer unidade.

Esta não é a primeira vez que há problemas nas extensões de saúde do concelho da Chamusca. A unidade do Chouto esteve várias semanas sem funcionar após uma médica que prestava serviço na localidade se ter recusado a trabalhar no local devido a ter sido insultada por alguns utentes. Na altura, conforme O MIRANTE noticiou, a 14 de Fevereiro deste ano, os utentes revoltaram-se e descarregaram na médica porque houve uma falha informática que estava a impedir a realização das consultas.

Mais Notícias

    A carregar...

    Edição Semanal

    Edição nº 1369
    20-09-2018
    Capa Médio Tejo
    Edição nº 1369
    20-09-2018
    Edição Vale Tejo