uma parceria com o Jornal Expresso

Edição Diária >

Edição Semanal >

Assine O Mirante e receba o jornal em casa
31 anos do jornal o Mirante
Renovado Serafim das Neves

Renovado Serafim das Neves

Edição de 07.01.2004 | E-mails do outro mundo
Tens razão quando te referes ao Congresso do Ribatejo que alguém pôs em marcha mas que ninguém sabe para onde marcha. Eu já cá ando há tempo suficiente para saber que os melhores congressos são os que têm substrato. Congressos de gastronomia, de vinhos, de sopas, de febras, de feijoadas, etc, etc e tal. Congressos substanciais e ricos em calorias. Congressos a valer. A doer.Os grandes congressos, aqueles que entusiasmam verdadeiramente os congressistas, são os que têm boas entradas, duas ou três qualidades de sopas, quatro ou cinco pratos, uma resma de sobremesas, digestivos e cafés. Os outros são de fugir a sete pés. Um congresso de um partido político já se sabe o que é. Uma seca. Um congresso do Ribatejo não é nada. Nem carne, nem peixe. Primeiro porque ninguém sabe muito bem o que é o Ribatejo. Depois porque em vez de aperitivos a coisa abriu com discursos. Começou da pior maneira. Não é difícil perceber que vai ter um lindo enterro.Fiquei surpreendido com a notícia do roubo de bandeiras nacionais do mastro da Junta de Freguesia de Almeirim. Já lá vão três, dizia o texto publicado na edição da semana passada. E acrescentava que o gamanço pode ter a ver com a proximidade do Europeu de futebol deste Verão. Pode ser que sim, mas as bandeiras não devem ser para levar aos jogos. Aquilo cheira-me a macumba. A bruxaria. Vais ver que um dia destes aparece uma daquelas encenações no cemitério local com a fotografia do seleccionador nacional, Scolari, no meio de bandeiras portuguesas e asas de morcego. Só não percebo é porque com tantas Juntas de Freguesia que há por aí a vítima é sempre a mesma. Ei! Ladrões de bandeiras, vocês não pescam mesmo nada de autarquias, ou moram ao lado da Junta de Almeirim e, como está muito frio, não vão a outras para não se constiparem? Serafim, estou ansioso pela chegada do Dia de Reis para aferir até que ponto Portugal já foi ocupado pelos espanhóis. Como sabes os “nuestros hermanos” recebem as prendas natalícias nesse dia. Assim, se a invasão já estiver em marcha irei assistir a emocionantes trocas de presentes ao som das Janeiras e, ao jantar, lá em casa, é certo e sabido que terei tapas e bocadillos regados a Rioja tinto. Se nada disso acontecer terei que concluir que o nosso país ainda é independente embora já há muito que não seja soberano. Mas isso das soberanias tem mais a ver com a monarquia e eu nessas coisas sou muito republicano, como sabes.Neste momento há uma outra grande dúvida que me assalta. Devo comprar um bolo rei para a noite dos ditos cujos, ou optar por alimentação mais colorida. Soube agora que uma sex-shop de Santarém foi assaltada duas vezes e que os gatunos atacaram em força nas cuecas comestíveis. A que é que saberão umas cuecas comestíveis?? Tu sabes??? Presumo que o sabor seja diferente se forem comidas antes ou depois de ser usadas, mas...E aquela loja da esposa do cantor Carlos Mendes, em Santarém, cuja frontaria aparece decorada de maneira diferente noite sim, noite não? Eu já não digo nada, mas aquela rapaziada não é dos anos sessenta??!! E nessa altura não havia uns truques para atrair a atenção dos media sobre os cantores rock??!! Será que a Helena Mendes está a utilizar a técnica para promover o negócio?? Ela, na foto publicada na edição da semana passada de O MIRANTE, está com um sorriso bem maroto. E conseguiu um quarto de página de publicidade, a cores. Bué de fixe! Não é ???!!! Saudações maliciosas doManuel Serra d’Aire
Renovado Serafim das Neves

Comentários

Mais Notícias

    A carregar...