uma parceria com o Jornal Expresso

Edição Diária >

Edição Semanal >

Assine O Mirante e receba o jornal em casa
31 anos do jornal o Mirante
Paraíso chinês desmantelado em Samora

Paraíso chinês desmantelado em Samora

Autoridades encontraram 16 imigrantes ilegais

As autoridades apareceram de surpresa e encontraram dezasseis imigrantes ilegais em armazéns de Samora Correia. A operação não foi mais produtiva porque algumas unidades estavam fechadas.

Edição de 28.01.2004 | Sociedade
Dezasseis imigrantes, na sua maioria, chineses em situação ilegal foram identificados e detidos pelo Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) em vários armazéns da freguesia de Samora Correia. A operação decorreu no dia 21 de Janeiro.Segundo fonte oficial, a intervenção montada em colaboração com a GNR local, só não foi mais produtiva, porque a data coincidiu com o final do ano chinês e várias lojas e armazéns estavam encerradas.Os imigrantes passaram a noite nos calabouços do Governo Civil de Lisboa porque os postos da GNR na região não tinham condições para os acolher. No dia seguinte, os 10 imigrantes que tinham documentos, apesar de estarem em situação ilegal, foram ouvidos pelo Tribunal de Vila Franca de Xira. Foram identificados com termo de identidade e residência e vão ter de pagar avultadas multas. Os restantes seis, que não tinham qualquer documento, foram convidados a abandonar o país.A operação, que envolveu cerca de 40 inspectores e agentes do SEF e quase duas dezenas de guardas dos postos de Samora Correia e Benavente, decorreu em oito locais diferentes onde foram identificados 58 estrangeiros (dois ucranianos, um australiano, um indiano, oito marroquinos e os restantes chineses).O SEF aplicou ainda coimas aos empregadores, que vão desde os dois mil aos 27.500 euros por pessoa, de acordo com a dimensão da empresa. Na semana anterior, o SEF identificou 17 estrangeiros em situação ilegal nos arredores de Lisboa e Ribatejo, no âmbito de uma fiscalização a pequenas e médias empresas.As empresas fiscalizadas nessa operação mantinham ao seu serviço 17 cidadãos estrangeiros sem autorização de permanência em território nacional. Um dos imigrantes, de nacionalidade georgiana, possuía uma autorização de residência falsa, pelo que foi detido.A fiscalização abrangeu 16 empresas que empregavam cerca de 50 trabalhadores estrangeiros.O MIRANTE sabe que estão previstas novas operações na região onde se estima que existam centenas de imigrantes ilegais.Nélson Silva LopesSem licenças e livres de impostosArmazéns transformados em lojas ilegaisA proliferação de armazéns ilegais nas zonas industriais da Murteira e junto da EN 10, na freguesia de Samora Correia, motivaram os protestos dos comerciantes da região. Os empresários estabelecidos no Centro Norte Sul onde existem 120 lojas de comércio de roupas, têxteis para o lar, sapatos e acessórios formaram uma associação nacional e queixaram-se de “concorrência desleal”.Os administradores do hipermercado acusaram alguns comerciantes chineses de não passarem documentos (guias de transporte, facturas e recibos), empregarem trabalhadores ilegais e transformarem armazéns em lojas.O presidente da Câmara Municipal de Benavente confirmou a existência de armazéns ilegais e prometeu intensificar a fiscalização no que diz respeito ao licenciamento das instalações, já que as outras questões são da competência do SEF, da Brigada Fiscal da GNR e da Inspecção de Finanças.Os empresários chineses queixam-se de perseguição e dizem ser vítimas de alguma xenofobia e racismo. A Embaixada da China e a associação que representa os chineses em Portugal estão a apoiar os imigrantes que pretendem legalizar-se.
Paraíso chinês desmantelado em Samora

Comentários

Mais Notícias

    A carregar...